Avaliando o impacto da estratégia de segurança do paciente implantada em uma unidade de clínica médica de um hospital universitário sob a perspectiva da dimensão da atenção à saúde

Joseilda Alves da Silva, Flávia Cristina Morone Pinto

Resumo


Considerando a magnitude do tema Segurança do Paciente (SP) e sua relevância na dimensão do cuidado em saúde e na qualidade da assistência. Este estudo tem por objetivo analisar as estratégias de segurança do paciente implantadas na unidade de clínica médica (UCM) de um hospital de ensino em Pernambuco. Foi utilizada a metodologia quanti-qualitativa de natureza descritiva, por meio da análise dos indicadores do Plano de Segurança do Paciente (PSP) da Instituição. Para coleta dos dados utilizou-se um formulário adaptado da EBSERH (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares). Foi estabelecido o Índice de Conformidade (IC) ideal ≥ 80% para todos os indicadores descritos, ou seja, o percentual de adequação que reflete a segurança em relação à assistência prestada. Quanto a Cultura Organizacional observou-se um IC de 60.97%. Quanto aos Processos de Gestão de Risco teve um IC de 60,0%; e, quanto ao Núcleo de Segurança do Paciente na UCM, um IC de 56,25%. Conclui-se que há a necessidade da estruturação de medidas que assegurem a implantação de uma cultura voltada para a segurança do paciente, identificando erros, adequando processos e promovendo melhorias contínuas, na busca pela qualidade da assistência à saúde.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


Reis, C. T.; Martins, M.; Laguardia, J. A segurança do paciente como dimensão da qualidade do cuidado de saúde: um olhar sobre a literatura. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 7, p. 2029–2036, 2013. Disponivel em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n7/18.pdf acesso em 25 de maio de 2016.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Cirurgias Seguras Salvam Vidas. Fôlder, Brasília, 2008. Disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/noticias/60-cirurgiasseguras-salvam-vidas acesso em 25 de outubro de 2016.

Kohn, Linda T.; Corrigan, Janet M.; Donaldson, Molla S. To err is human: Building a Safer Health System. Editors Committee on Quality of Health Care in America, Institute of Medicine, National Academy Press, Washington, D.C. 1999. http://www.csen.com/err.pdf Acesso em 25 de abril de 2016.

Aline, A.; Bueno, B.; Fassarella, C. S. Segurança do Paciente: uma reflexão sobre sua trajetória histórica Patient Safety: a reflection on its historical trajectory. Revista Rede De Cuidados De Saúde, p. 2–10, 2011. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/rcs/article/view/1573 acesso em 28 out de 2016.

JCI. Joint Commission International Accreditation Standards for Hospitals: Standards Lists Version, Region Hovedstaden, 2011. Disponível em: http://www.jointcommissioninternational.org/common/pdfs/jcia/IAS400_Standards_Lis ts_Only.pdf Acesso em 11 novembro 2011.

Feltraco, Elcídio Jose; Soares, Luciano Elias; Gomes, Willian Bianchi; Lizote, Suzete Antonieta; Verdinelli, Miguel Angel; Lana, Jeferson. Análise da adoção de normas para a qualidade ISO 9001: um estudo de caso com base no ciclo PDCA na visão dos envolvidos no processo. NAVUS, Revista de Gestão e Tecnologia, p. 43–56, 2012.

Saupe, R. Horr, L. Auditoria em enfermagem. Revista de Ciências da Saúde. Florianópolis, v.1, n.1, p.23, 1982.

Brasil. Ministério da Saúde. RDC No 36 , de 25 de julho de 2013. Brasília, 2013. Disponivel em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/rdc-36de-25-de-julho-de-2014 acesso em 25 de out de 2016.

Gurgel, L. et al. Artigo Análise Reflexiva Contribuição De James Reason Para a Segurança Do Paciente : Reflexão Para a Prática De Enfermagem Contribution of James Reason To Patient Safety : Reflection for Nursing. v. 8, p. 2507–2512, 2014.

.Chang, P. et al. O processo de acreditação JCI : diálogo com a gestão de Acreditação , Padrões e Mensuração The JCI accreditation process : dialogue with the Accreditation management, Standards and Measurement Entrevista com Paul Chang. v. 9, p. 133–140, 2015.Disponivel em: file:///C:/Users/josisilva/Downloads/215-1263-1-SM.pdf acesso em 21 de outubro de 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria No 529, de 1o de abril de 2013. Diário Oficial da União, v. 2013, p. 43–44. Brasília, 2013. Disponível em: file:///C:/Users/josisilva/Downloads/portaria%20ms%20n%20529%202013%20%20segurana%20do%20paciente.pdf acesso em 28 de out de 2016.

Smith, A.F., Casey K, Wilson J; Fischbacher-Smith D. Wristbands as aids to reduce misidentification: an ethnographically guided task analysis. Int J Qual Health Care. 2011 Oct;23(5):590-9.

Gonçalves, M. I. et al. Comunicação e segurança do paciente na passagem de plantão em unidades de cuidados intensivos neonatais. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, SC, v.25, n.1, p. e2310014. 2016.

REBRAENSP. Estratégias para a segurança do paciente : manual para profissionais da saúde. Disponivel em:< Disponível em: http://www.rebraensp.com.br/pdf/manual_seguranca_paciente.pdf acesso em 11 de novembro de 2016.

Pancieri, A. P. et al. Checklist de cirurgia segura: análise da segurança e comunicação das equipes de um hospital escola. Rev. Gaúcha de Enfermagem, v. 34, n. 1, p. 71–78, 2013. disponível em : http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v34n1/09.pdf acesso em 26 de out de 2016.

Lima, F. D. M. a Segurança Do Paciente E Intervenções Para a Qualidade Dos Cuidados De Saúde. p. 22–29, 2011. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/espacoparasaude/article/view/18190 acesso em 24 de outubro de 2016

Lucena, A. D. F. et al. Perfil clínico e diagnósticos de enfermagem de pacientes em risco para úlcera por pressão. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 19, n. 3, p. 1–8, 2011. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.26/13214 Acesso 15 de maio de 2016.

Medeiros, A. B. F.; Lopes, C. H. A. D. F.; Jorge, M. S. B. Análise da prevenção e tratamento das úlceras por pressão propostos por enfermeiros. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 43, n. 1, p. 223–228, 2009.

COREN/SP; Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo. 10 Passos para a Segurança do Paciente. Conselho Regional de Enfermagem Sao Paulo, p. 32, 2010. Disponível em: http://www.corensp.gov.br/sites/default/files/10_passos_seguranca_paciente_0.pdf. Acesso em 26 de outubro de 2016

Brasil. Ministério da Saúde. RDC N° 34, DE 11 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre as Boas Práticas no Ciclo do Sangue. Brasília, 2014. Disponível em: http://www.hemope.pe.gov.br/pdf/30-06-2016/06-rdc-34-de-11-06-2014.pdf Acesso 15 de maio de 2016.

Porto, M. F. de S. Análise de riscos nos locais de trabalho: conhecer para transformar. p. 41, 2000. Disponível em https://normasregulamentadoras.files.wordpress.com/2008/06/riscos_trabalho.pdf

Harada, M. D. J. e Pedreira, M. Assistência Segura: Uma Reflexão Teórica Aplicada à Prática. Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde, p. 41–55, 2013.

Perez, F.C.; Cobra, M. Cultura Organizacional e Gestão Estratégica: A cultura como recurso estratégico. São Paulo: Atlas, 2015.

Sousa, C. S. de O.; da Silva, A. L. O cuidado a pessoas com HIV/aids na perspectiva de profissionais de saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 47, n. 4, p. 907–914, 2013.

Fragata, J. Sessão 7: Traduzir a evidência em Cuidados de Saúde mais Seguros. p. 50, 2012.

Duarte, S. da C. M. et al. Eventos adversos e segurança na assistência de enfermagem. Revista brasileira de enfermagem, v. 68, n. 1, p. 136–46, 144–54, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003471672015000100144&lng=en&nrm=iso Acesso em 22 maio de 2016.

Reason, J. Human error: models and management. BMJ, v. 320, n. November 2006, p. 768–770, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.23973/ras.66.10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


_______________________________________________

Revista de Administração em Saúde
ISSN 2526-3528 (online)

Associação Brasileira de Medicina Preventiva e Administração em Saúde
Avenida Brigadeiro Luis Antonio, 278 - 7o andar
CEP 01318-901 - São Paulo-SP
Telefone: (11) 3188-4213 - E-mail: ras@apm.org.br