TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
04/09/14 - TISS 3.02 passa a ser obrigatória
Não tem mais jeito: terminou no último dia 31/8 o prazo para adoção obrigatória da Troca de Informações na Saúde Suplementar (TISS) versão 3.02 – padrão estabelecido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para o envio eletrônico de informações entre fontes pagadoras, prestadores de serviço e a agência reguladora.
A data limite anterior para o TISS 3.01, em 30 de maio, havia sido ampliada com o lançamento de uma nova versão.


Acesse aqui a documentação do padrão TISS 3.02 nova aba


O mercado, que trabalhava junto à ANS demonstrando que ainda existiam problemas na adoção da nova TISS, esperava o lançamento de uma versão 3.03 para ampliar novamente o prazo, mas a expectativa acabou frustrada. “Esperando não, desejando”, diz Fábio Monsanto, fundador da Tradimus, consultoria especializada em TISS.

Segundo Luis Gustavo Kiatake, diretor de Relações Institucionais da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS), o setor defendeu na agência mais tempo para fazer testes práticos, diante de uma certa ausência de casos de sucesso. “A SBIS fez uma pesquisa e os fabricantes de software em princípio já estavam preparados, mas nenhuma grande operadora com nenhum grande prestador tinha conseguido [trocar informações no TISS 3.02]”, conta.

Na última reunião realizada pela ANS para discutir o prazo, feita na última semana de agosto, Kiatake diz ter percebido que ainda existem dúvidas sobre algumas situações regulatórias. “Se lá dentro existem divergências de como vai funcionar, imagine no mercado”, exclama. “Mas também há um consenso de que a coisa precisa entrar.”

Isso significa, para Kiatake, que mesmo sem testes bem sucedidos, a entrada em vigor vai ser uma forma de as empresas fazerem adaptações nos sistemas, entrando em produção já de cara. E prevê dois possíveis impactos imediatos: se os sistemas não funcionarem, gerando impacto no processo de cobrança e pagamento entre hospitais e operadoras; e na terminologia, causando confusão entre as tabelas de procedimento.


Impacto

“No primeiro mês haverá alguns impactos interessantes de dificuldade. Mas acho que as operadoras devem criar alternativas para fazer uma transição menos abrupta. Talvez elas ainda aceitem algumas coisas no padrão antigo”, pondera.

Para Monsanto, com o prazo obrigatório finalmente terminando, a agência afastou o risco de ver seu esforço entrando em descrédito. “Somando os adiamentos, você tem dois anos de prazo. Se fosse [adiar] novamente, quando entraria?”, pondera. “Agora é a hora da verdade, como diz o clichê.”

Apesar de as empresas ainda estarem pouco preparadas para trocar informações no novo padrão, e do longo prazo dado pela agência, é pouco provável que ela autue as empresas que não migrarem imediatamente, uma vez que ela “está ciente de que poucas o fizeram”, diz Monsanto, que também é otimista. “O tempo de estabilização do padrão vai ser mais rápido que os outros. Foi a primeira vez que vi operadoras que nunca sequer olharam o TISS, principalmente de odontologia, muito preocupadas.”

O diretor da SBIS concorda: é muito mais provável, acredita, que a ANS utilize os dados recebidos das operadoras para saber qual é o andamento da transição. Em novembro a agência começa a receber informações referentes ao mês de setembro (incluindo versão utilizada pelas operadoras, terminologia, tabelas etc.), e com eles será possível determinar ações para estimular a migração para o TISS 3.02.

“Com esses dados a agencia vai ter um controle muito maior de que como está a comunicação entre operadoras e prestadores”, acredita Kiatake. “Com isso a agência começa a ter uma visão mais verdadeira do cenário. Se antes ela trabalhava baseando-se em denúncias, agora vai ter um instrumento para agir proativamente.”


Fonte: Saúde Business 365
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
Exame de Obtenção de Título de Especialista em Medicina Preventiva e Social e Certificado de Área de Atuação em Administração em Saúde 2020
Webinar - A Arquitetura e Engenharia Hospitalar contribuindo para o Controle da Infecção Hospitalar
2020 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Curso da APM ajuda na sustentabilidade de empreendimentos médicos
Liderança 4.0
Novo : Desafios da Lei Geral de Proteção de Dados para a Área da Saúde
Mais Recentes
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Grupo de Indicadores de Enfermagem

apmsompas