TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
27/09/12 - Celebrar vidas
Tanto quanto número de leitos para a internação, velocidade no agendamento de consultas e estoque de remédios, temos de observar a mortalidade infantil
Artigo do secretário de Estado da Saúde de São Paulo, Giovanni Guido Cerri publicado no jornal Folha de São Paulo.


É comum e natural que as pessoas percebam a qualidade da saúde pública em razão de quesitos como a disponibilidade da oferta de leitos para internação, agilidade no agendamento de consultas, exames e procedimentos cirúrgicos, presença de médicos nos plantões e farto estoque de medicamentos nos postos de saúde e farmácias de alto custo.

Obviamente tudo isso é necessário e desejável, e os gestores do SUS (Sistema Único de Saúde) devem trabalhar para que, cada vez mais, a população tenha acesso rápido e fácil aos serviços de saúde, e que eles sejam cada vez mais resolutivos.

Há um indicador, em especial, capaz de apontar como está, de fato, a assistência em saúde à população, especialmente às grávidas no período de gestação, ao parto e às crianças com menos de um ano de vida. A mortalidade infantil mostra, na prática, se a saúde vai bem ou mal.

Por isso merece ser celebrado o novo balanço do Estado de São Paulo, por meio da Fundação Seade e da Secretaria da Saúde, apontando que o índice de mortalidade infantil caiu 31% desde 2000, atingindo em 2011 o menor nível da história.

Mais do que isso: no ano passado, metade das cidades paulistas tiveram taxas inferiores a um dígito, como países desenvolvidos.

São Paulo apresentou 11,5 óbitos de crianças menores de um ano de idade para cada 1.000 nascidas vivas em 2011, contra 16,9 em 2000. Desde 1995, a queda da mortalidade infantil paulista supera os 50%.

Mais do que o principal indicador de saúde pública segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), a taxa de mortalidade é um indicador socioeconômico, que também mostra as condições de vida de cada uma das regiões do Estado e de que maneira isso se reflete nos nascimentos e mortes dos bebês e das crianças.

A queda nos índices é constante. É bom sinal, uma vez que quanto menor é a taxa de mortalidade infantil de uma região, Estado ou país, mais difícil conseguir reduzi-la.

O aprimoramento de serviços básicos de saneamento e saúde, especialmente o atendimento

pré-natal e a assistência ao parto e ao pós-parto, contribuem decisivamente para diminuir a mortalidade infantil.

Os resultados alcançados no Estado são fruto de um trabalho contínuo de acompanhamento dos serviços de saúde, realizado com a decisiva participação dos municípios paulistas e do Cosems-SP (Conselho Municipal de Saúde), além do apoio do Ministério da Saúde, visando ao da rede de assistência pública à saúde. Em julho deste ano, a secretaria liberou R$ 76,2 milhões para a assistência básica de 625 municípios.

Somente em 2011, 102 novos leitos de UTI neonatal foram habilitados pelo SUS no Estado, ampliando a oferta de assistência especializada para bebês prematuros e com malformações congênitas, por exemplo.

Evidentemente, alguns municípios e regiões apresentam índices ainda preocupantes, mas é possível superar esses desafios.

O fortalecimento da parceria entre os gestores do SUS, a regionalização da saúde, pela qual o Estado de São Paulo trabalha para garantir recursos de assistência adequados em todas as regiões do Estado, e a o aprimoramento da assistência nos municípios e regiões onde a mortalidade infantil ainda apresentam índices elevados são fundamentais para a mortalidade infantil continue apresentando níveis cada vez mais baixos e para que, nos próximos anos, possamos, novamente, celebrar vidas.
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
O impacto da pandemia no futuro dos espaços em saúde
Exame de Obtenção de Título de Especialista em Medicina Preventiva e Social e Certificado de Área de Atuação em Administração em Saúde 2020
Webinar - A Arquitetura e Engenharia Hospitalar contribuindo para o Controle da Infecção Hospitalar
2020 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Curso da APM ajuda na sustentabilidade de empreendimentos médicos
Liderança 4.0
Mais Recentes
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Grupo de Indicadores de Enfermagem

apmsompas