TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
23/03/18 - Ministério Público investiga uso de dados de clientes por farmácias
É comum ouvir do caixa na farmácia: “CPF para desconto?” A frase parece inocente e bem é convidativa afinal, quem é que não quer um desconto? No entanto, como foi muito bem apontado nesta reportagem da Vice, o buraco é mais embaixo: o pedido faz parte de uma coleta sistemática de dados dos cidadãos que pode beneficiar empresas e prejudicar você no final das contas.
imagem


Agora, o Ministério Público do Distrito Federal abriu uma investigação para saber o que as
farmácias estão fazendo com esses dados. A preocupação é se elas repassam ou vendem as informações dos clientes para empresas de planos de saúde e de análise de crédito.

A iniciativa começou em janeiro deste ano quando o MP enviou dez perguntas sobre o tratamento de dados dos consumidores ao Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do DF (Sincofarma). A entidade disse que não poderia falar pelos procedimentos adotados por cada uma.

O próximo passo é enviar as perguntas para as dez maiores redes farmacêuticas do Brasil e não poderão negar esclarecimentos, já que se trata de uma requisição oficial.

A ideia do MP é entender, entre outras coisas, por que o CPF é exigido para se obter desconto. “Existe uma verdadeira obsessão das farmácias em dar desconto. E no capitalismo, não existe obsessão de graça. Há um interesse por trás”, disse o promotor Frederico Meinberg, coordenador da Comissão de Dados Pessoais do MP, diz ao G1.

Caso as farmácias realmente estejam repassando os dados dos consumidores para terceiros, o MP deve acionar a Justiça para coibir a conduta em todo o país. O caso pode configurar violação do direito constitucional à privacidade, muito embora não tenhamos uma legislação específica que trate sobre a privacidade de nossos dados. O Projeto de Lei 5276/16, hoje anexado ao PL 4060/2012, aguarda parecer do relator em Comissão Especial da Câmara – o projeto não avança há mais de um ano.

Ainda assim, o caso pode configurar violação do direito constitucional à privacidade e caberia indenização coletiva. Não está claro ainda como isso se desenrolaria, já que o impacto desse esquema é desconhecido.

A proteção desse tipo de dado é importante para evitar que empresas façam campanhas publicitárias altamente direcionadas e mais do que isso, para que as informações não interfiram em outros momentos da vida do consumidor. Como bem apontado por Meinberg, um cruzamento entre o seu CPF e o tipo de remédio que compra poderia mostrar para uma prestadora de plano de saúde que você tem uma condição médica específica – o que poderia encarecer o contrato.

Outra possibilidade para empresas é consultar a sua reputação para crédito. As informações poderiam revelar que você sofre de uma doença terminal e assim cobrar juros mais altos por entender que existem mais riscos para o não pagamento da dívida.

Em nota enviada por email ao Gizmodo Brasil, a Serasa Experian disse que “não utiliza dados de compra de remédios em redes de farmácias em seus relatórios e scores de crédito”. O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) foi na mesma linha e afirmou que “não utiliza informações de compra de remédios e dados de saúde de consumidores para a elaboração de produtos, relatórios e consultas relacionadas a crédito”.

A ANS disse que “caso o MP confirme o envolvimento de operadoras no caso, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) adotará as providências administrativas cabíveis”.

A Abramge – Associação Brasileira de Planos de Saúde nos enviou um posicionamento por email:

A Abramge – Associação Brasileira de Planos de Saúde – ressalta que, ao contrário do aventado, as operadoras não diferenciam o preço do plano de saúde segundo o perfil dos beneficiários, muito menos conforme a utilização dos medicamentos. A legislação e a regulação do setor, inclusive, proíbem tal prática.

Logo, o interesse das operadoras de planos de saúde ao firmar convênios junto às redes de farmácia é único e exclusivamente para facilitar o acesso do beneficiário ao tratamento indicado pelo profissional de saúde, com vistas a evitar o agravamento de doenças e promover a saúde do beneficiário.

É importante esclarecer para que fins esses dados estejam sendo utilizados, caso a investigação do MP aponte que as informações de consumo de medicamento estão sendo comercializadas tanto para a indústria farmacêutica quanto para as empresas de crédito.


O Gizmodo Brasil entrou em contato também com a ABCFARMA (Associação Brasileira do Comércio Farmacêutico) e com a ABRAFARMA (Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias), mas não obteve resposta até a publicação desta matéria. Atualizaremos a publicação se obtivermos alguma resposta.


Fonte GIZMODO Brasil - Alessandro Feitosa Jr. - 23 de Março de 2018
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
O impacto da pandemia no futuro dos espaços em saúde
Exame de Obtenção de Título de Especialista em Medicina Preventiva e Social e Certificado de Área de Atuação em Administração em Saúde 2020
Webinar - A Arquitetura e Engenharia Hospitalar contribuindo para o Controle da Infecção Hospitalar
2020 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Curso da APM ajuda na sustentabilidade de empreendimentos médicos
Liderança 4.0
Mais Recentes
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Grupo de Indicadores de Enfermagem

apmsompas