TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
30/10/17 - O PAPEL DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO NA ESTRATÉGIA DAS ORGANIZAÇÕES
No próximo dia 8 de novembro, será lançada a publicação O Papel do Conselho de Administração na Estratégia das Organizações. Organizado pela Comissão de Estratégia do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), o documento visa ajudar a ampliar a preocupação dos conselheiros com o pensar estratégico e de longo prazo nas empresas.
O principal objetivo desta publicação é inspirar o pensar estratégico entre os conselheiros de administração. Outro grande objetivo é colocar a estratégia de forma consistente dentro dos conselhos, e, com isso, fazer com que o tema seja uma pauta constante nas reuniões.

Tanto o pensamento estratégico como o planejamento são necessários, mas, isoladamente, eles são insuficientes. Se o conselho não pensar estrategicamente, ele não conseguirá determinar as diretrizes estratégicas do negócio. É importante entender que o pensar estratégico é continuo, já o planejamento é um processo que acontece em determinados momentos da vida de uma empresa. O que é preciso deixar claro é que é incorreto limitar o pensamento estratégico apenas no momento do planejamento.

O planejamento estratégico deve ser desvinculado do orçamento anual. O orçamento é um plano de despesas anuais. O planejamento estratégico é uma visão de longo prazo, de 2, 3, 5 ou mais anos, dependendo do setor da economia onde a empresa atua. O orçamento deve ser feito a partir das necessidades identificadas no planejamento estratégico.

Como há um desconhecimento na maioria das empresas, o que se faz é usar o momento de elaboração do orçamento para debater o planejamento estratégico. O orçamento é atribuição da gestão. Muitas empresas não têm um processo formal e técnico para desenvolver o planejamento estratégico, e acabam submetendo o processo de pensar a estratégia ao processo de elaboração do orçamento. O que é errado. O correto é o inverso: o orçamento deve ser feito a partir do plano estratégico.

Existem alguns inibidores ao processo de planejamento, tais como: o excesso de atenção a assuntos operacionais, que são importantes, mas costumam ocupar grande parte do tempo dos conselhos; a inércia nos tempos de bonança, na qual o sentimento de que "se o mercado vai bem e não precisamos pensar o futuro" que acaba bloqueando o pensamento mais estratégico; projeções de crescimento com base no passado, que é quando, ao invés de analisar de maneira profunda o cenário, se diz "crescemos 10% e vamos crescer 10%"; a questão da subordinação ao orçamento; e remuneração convencional, porque uma maneira de inibir a estratégia é um sistema de remuneração que não privilegia a meritocracia.

A diretoria executiva é responsável pelo desenvolvimento do plano – pela construção e pela implementação do plano. O conselho tem a responsabilidade de aprovar o plano e de acompanhar os indicadores de performance definidos no planejamento. O conselho tem que participar de todo o processo de planejamento estratégico. Primeiro, o conselho define as diretrizes estratégicas. Seguindo essas diretrizes, a diretoria desenvolve o planejamento, cujo produto final é o plano estratégico. Durante o processo de construção do plano, o conselho deve acompanhar o seu desenvolvimento. O colegiado é responsável em aprovar o plano. A partir daí, cabe à diretoria implementar o plano e ao conselho cabe monitorar os indicadores de performance. Em muitas empresas os conselheiros esperam a diretoria elaborar um plano para eles aprovarem. Mas é justamente o contrário do como deve ser: é o conselho que precisa criar diretrizes que serão as bases para o desenvolvimento do planejamento estratégico. Fonte:- Instante


IBGC
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
O impacto da pandemia no futuro dos espaços em saúde
Exame de Obtenção de Título de Especialista em Medicina Preventiva e Social e Certificado de Área de Atuação em Administração em Saúde 2020
Webinar - A Arquitetura e Engenharia Hospitalar contribuindo para o Controle da Infecção Hospitalar
2020 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Curso da APM ajuda na sustentabilidade de empreendimentos médicos
Liderança 4.0
Mais Recentes
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Grupo de Indicadores de Enfermagem

apmsompas