TRANSLATE:
header_logo
Login
ESTRATÉGIAS E PLANOS
MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO - UMA IMPORTANTE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO E NEGOCIAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE
O conhecimento dos custos e sua adequada gestão, caracteriza-se como uma informação que considero de extrema relevância se o objetivo é tomar decisões, como: negociação com operadoras, investimentos, expansão, etc. São muitos os desdobramentos que a informação de custo possibilita ao gestor, neste artigo vamos comentar sobre a “Margem de Contribuição”.

O Wikipédia tem uma ótima definição: 1) É quantia em dinheiro que sobra do preço de venda do serviço após retirar o valor do custo variável e as despesas variáveis. Esta quantia é que irá garantir a cobertura do custo fixo e gerar lucro. 2) Ela representa a margem que cada serviço vendido irá contribuir para a empresa cobrir todos seus custos e despesas fixas, chamados de custo de estrutura/suporte.

Antes de avançarmos precisamos definir outros conceitos:

Custo variável = Custos que se alteram na mesma proporção da variação do volume das atividade, correspondem aos insumos inerentes à produção, ou seja o custo variável só acontece caso haja produção (exemplo: consumo de medicamentos, materiais descartáveis, honorário médico (por produção), etc

Custo fixo = Custos que não são influenciados pela variação do volume de atividades, dentro de uma determinada capacidade, correspondem aos custos vinculados com a infra-estrutura, os custos fixos ocorrem mesmo que não haja produção, podemos citar como exemplo: os salários, alugueis, depreciação, contratos com terceiros, etc.

Como descrito acima a margem de contribuição é a diferença entre o preço de venda e o custo variável, por exemplo, um exame que é vendido para uma operadora pelo valor de R$ 50,00, e para realização do exame incidem os custos variáveis: filme, contraste, honorário do medico que realizou o exame e o laudo, totalizando R$ 28,00 , ou seja, (R$ 50,00 – 28,00 = 22,00) este exame gerou uma margem de contribuição no montante de R$ 22,00, ou 44%, que também justifica este nome (Margem de Contribuição) pois refere-se ao valor que este serviço contribuiu para cobertura dos custos fixos e geração de lucro.

É primordial deixar claro que margem de contribuição não é o lucro (o resultado final), mas no momento de uma negociação, tomada de decisão é um instrumento de suma importância, vamos para alguns exemplos:

Um Hospital obteve uma receita de R$ 100.000,00 na realização de um procedimento, os custos variáveis (materiais, medicamentos, órteses, próteses e honorários médicos) acumularam um valor de R$ 47.000,00, os custos fixos R$ 43.000,00, resultado final (lucro) = R$ 10.000,00. A diferença entre R$ 100.000,00 (-) R$ 47.000,00 chegamos a R$ 53.000,00 (ou 53% de margem de contribuição), valor que sobrou para cobrir os custos fixos e gerar lucro. Baseado nestes números podemos inferir que se o Hospital deseja pelo menos um lucro de 10% na realização deste determinado procedimento ele deve ter uma margem de contribuição de pelo menos 53%.

O Hospital realiza diversos tipos de serviços: vários exames diagnósticos, cirurgias, consultas, etc, bem como valores diferentes para cada serviço dependendo da negociação com a operadora, portanto as margens de contribuição tem uma grande variação. Seria ótimo se conseguíssemos que todos os serviços efetuados tivessem uma margem igual ou superior aos 53% (no caso do exemplo acima), todavia nem sempre isto é possível, já tive a oportunidade de ver situações com serviços que geram margens de 2% até 80% ou mais. Normalmente há serviços que geram margens bem inferiores a desejada, ocasionando um prejuízo para instituição, todavia é muito importante esclarecer que isso não quer dizer que devemos excluir este produto ou serviço, pois apesar de gerar prejuízos, ainda sobra alguma coisa na venda deste ítem para ajudar a pagar os custos fixos, exemplo: valor recebido pelo consulta R$ 45,00, repasse ao médico R$ 32,00, margem de contribuição: R$ 45,00 – R$ 32,00 = R$ 13,00 ou 29% de margem, como não atingiu a margem necessária (mais que 53%, continuando neste exemplo) para geração de lucro obviamente que vai amargar prejuízo, todavia, cada consulta gerará para clínica R$ 13,00 para contribuir na cobertura dos custos fixos. Só aconselha-se eliminar os serviços que não geram margem desejada caso a instituição esteja atuando a plena ocupação (sem nenhuma ociosidade), neste caso poderíamos deixar de atendar estes serviços para aumentar a produção de outros mais atrativos. O que é altamente recomendado é evitar ao máximo a ocorrência de produtos/serviços com margem negativa, pois isto significa que a instituição está prestando um serviço no qual terá que pagar para realiza-lo. Por exemplo: A operadora remunera por um determinado evento o valor de R$ 40,00, e para realização deste evento temos os seguintes custos variáveis: Medicação R$ 15,00, honorário do médico R$ 27,00, totalizando R$ 42,00, ou seja, na realização deste procedimento não sobrou nada para ajudar a pagar os custos fixos (estrutura da clinica) e o mais agravante, será necessário retirar (R$ 40,00 – R$ 42,00 = R$ - 2,00) R$ 2,00 de outro procedimento com margem positiva para cobrir o déficit gerado.

A margem de contribuição identifica o que realmente sobra para a empresa, ou seja se a instituição recebeu R$ 1.000,00 por um procedimento, pagou R$ 350,00 para o médico, gastou R$ 400,00 de medicamentos e materiais descartáveis, efetivamente sobrou R$ 250,00 para pagar salários, aluguel, depreciação, serviços de terceiros, etc. A margem de contribuição mostra de forma transparente quanto cada serviço gera de receita para a clínica. A Margem de contribuição é uma informação muito importante na hora de realizarmos negociações, pode ser um diferencial para análises de propostas.

Concluindo, afirmo que muitos segmentos usam o calculo da margem de contribuição para desenvolvimento de promoções, por exemplo: quando vemos as cias aéreas oferecendo passagens a valores bem inferiores em determinados horários e voos, é porque já realizaram pesquisas que em determinados horários e voos sobram acentos vazios, então caso um passageiro ocupe este acento pagando a metade do valor dos outros e sobrando alguma coisa para contribuir no pagamento do custos fixos (ou seja uma margem inferior a desejada, mas uma margem positiva) é vantagem para empresa, pois todo custo fixo (salários dos comissários e pilotos, estrutura, etc) já está dentro do avião, se o passageiro pagar R$ 100,00 para ocupar um acento que estaria vazio, excluindo o custo variável R$ 10,00 do lanche ainda sobra R$ 90,00 a mais para cobertura dos custos fixos, pode ser uma vantagem pequena se considerarmos um passageiro, mas imaginem quantos milhares de voos são vendidos desta forma por mês, no final a vantagem chega a milhões....

Afinal deixo a dica para desenvolvermos instrumentos que possibilitem conhecermos as margens de contribuição dos serviços prestados por operadora e desta forma ter condições de negociar melhor e oferecer descontos em espaços e períodos ociosos, e também conhecer quais são os itens mais atrativos no caso de termos que escolher um ou outro serviço.


imagem

EDUARDO REGONHA
E-mail: eduardo@xhl.com.br

*Eduardo Regonha é Administrador, Diretor Executivo da XHL Consultoria, Doutor em Ciências – Custos em Oftalmologia, Pós-Graduado em Administração Hospitalar pela FGV-SP. Foi professor do Centro Universitário São Camilo, Fundação Unimed, FMUSP e UNIFESP
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
O impacto da pandemia no futuro dos espaços em saúde
Exame de Obtenção de Título de Especialista em Medicina Preventiva e Social e Certificado de Área de Atuação em Administração em Saúde 2020
Webinar - A Arquitetura e Engenharia Hospitalar contribuindo para o Controle da Infecção Hospitalar
2020 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Curso da APM ajuda na sustentabilidade de empreendimentos médicos
Liderança 4.0
Mais Recentes
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Grupo de Indicadores de Enfermagem

apmsompas