TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
02/05/16 - Para onde vai o dinheiro?
Orçamento da União para a Saúde é insuficiente, mas confusão na distribuição do investimento agrava ainda mais os problemas do SUS
imagem


O Sistema Único de Saúde (SUS) passa por situação calamitosa e não faltam problemas a serem abordados: equipamentos inutilizados, esgotamento da rede, dificuldade na fixação de profissionais, má administração e, sobretudo, subfinanciamento. Como exemplo, vale lembrar que nos últimos cortes no orçamento do Governo Federal destinado à Saúde, a área perdeu mais de R$ 13 bilhões. Junta-se ao parco montante o modelo de repasses. Em 2014 – mostrou análise do Conselho Federal de Medicina (CFM) – aproximadamente R$ 10 bilhões deixaram de ser aplicados na saúde pública. A maior parte deste dinheiro deveria ter sido investido em obras e equipamentos para as diversas unidades ao redor do Brasil.

A aplicação do orçamento é uma questão que suscita debates e traz novos pontos à discussão. Nelson Guimarães Proença, ex-presidente da Associação Paulista de Medicina (APM), acredita que estruturar o atendimento em três níveis pode ser um dos pilares para o aperfeiçoamento do SUS. "Se entendermos que há a atenção primária, a secundária e a terciária, podemos garantir que cada uma delas tenha orçamento próprio, aprovado por lei e que não permita o remanejamento de uma esfera para a outra durante o exercício fiscal”, vislumbra.

É bom esclarecer, portanto, o que cada um desses níveis representa. A atenção primária estabelece ações de promoção, prevenção e proteção à Saúde e é uma das atribuições dos municípios. Ações de vigilância epidemiológica, de vigilância sanitária e o Programa de Saúde da Família, com seus agentes comunitários, estão aqui.

A segunda faixa presta atendimento em unidades especializadas, como hospitais ou ambulatórios. É importante que seja oferecida em regiões estratégicas do estado, recebendo casos que as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) não puderam resolver. Enquanto isso, o último nível é o de mais alta complexidade, para pacientes que precisam de equipes altamente qualificadas.


Estruturação e integração

José Antônio de Lima, presidente da Fundação Zerbini (do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - Incor/FMUSP), segue a linha de Proença ao concordar com a importância da separação orçamentária entre os níveis. Sua maior preocupação, no entanto, diz respeito ao entendimento do papel de cada um dos gestores (municipal, estadual e federal) sobre o seu dever.

Exemplo: quem fica responsável pela atenção primária? Muitas vezes nós vemos tanto o estado quanto o munícipio empregarem forças em ações desta natureza, quando na verdade eles poderiam dividir suas atuações”, avalia. Para Lima, além disso, é extremamente necessário que os municípios e estados tenham uma integração maior, sobretudo no que se refere à rede de atendimento secundário ou terciário. "As esferas precisam discutir a forma de acesso do paciente de um nível ao outro. Hoje, elas não conversam e não são complementares, mas sim redundantes. Essa aproximação tem que preceder a estruturação do orçamento. ”


Acompanhamento

O Ministério da Saúde, em nota, afirma que de acordo com a Lei Complementar 141/2012, o controle sobre os recursos de ações e serviços públicos de saúde geridos por estados e municípios é feito pelos Conselhos de Saúde. "Há apresentação de relatórios quadrimestrais e anuais, além de um monitoramento realizado pelo poder Legislativo, incluindo tribunais de contas e órgãos de controle, como o Ministério Público”, diz o texto.

A pasta explica que também é atribuição dos órgãos do sistema de auditoria, controle e avaliação do SUS, no âmbito da União, e dos estados e municípios, realizar fiscalização por amostragem: "Assim, o Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus), do Ministério da Saúde, mantém rotina de programação de auditorias, a partir de demandas próprias ou de órgãos como o MP, Polícia Federal, Controladoria-Geral da União, Tribunal de Contas da União e cidadãos, que entram em contato por meio da Ouvidoria, registrando denúncia ou reclamação”.


Fonte: APM
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
O impacto da pandemia no futuro dos espaços em saúde
Exame de Obtenção de Título de Especialista em Medicina Preventiva e Social e Certificado de Área de Atuação em Administração em Saúde 2020
Webinar - A Arquitetura e Engenharia Hospitalar contribuindo para o Controle da Infecção Hospitalar
2020 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Curso da APM ajuda na sustentabilidade de empreendimentos médicos
Liderança 4.0
Mais Recentes
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Grupo de Indicadores de Enfermagem

apmsompas