TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
11/04/16 - Economia coloca saúde em risco
O que se vê na economia do país é o crescimento do desemprego, a desvalorização do real, a dificuldade para controlar a inflação, além da perda de receitas com a queda na arrecadação de impostos.
Não há como fugir das consequências da crise. Ela atinge a todos, inclusive a saúde. Os setores público e privado lidam com a dificuldade de manter a sustentabilidade de um segmento que sofre com a elevação dos custos, enquanto as receitas caem. Entre os estados, aqueles dependentes da indústria de petróleo e gás são os que mais sofrem com a escassez de recursos financeiros. O resultado desse desequilíbrio, nós vemos no noticiário que expõe a crise nas redes hospitalares estaduais. O setor privado também vê a situação econômica assombrar com perspectivas nada animadoras.

O aumento do desemprego vem causando uma retração no mercado de planos de saúde. O saldo negativo de 1,5 milhão de vagas formais que o país apresentou ano passado ajuda a entender como os planos perderam mais de 440 mil clientes. Números assim afetam todo o sistema. Os hospitais membros da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), por exemplo, registraram, em 2015, uma queda de 1,8% na receita em comparação com 2014. Com a baixa de movimento dos hospitais, acaba-se empregando menos do que a expectativa.

No ano passado, o incremento de contratações pelos hospitais da Anahp foi de 4,1%, o que representa um terço do resultado de 2014, quando houve alta de 12%. Infelizmente, não há como evitar esse impacto, ainda mais considerando que há hospitais em que 90% dos atendimentos realizados são de pessoas com plano de saúde. Somente nos prontos-socorros houve redução de 7,2% de 2014 para 2015 (que representam algo como 150 mil atendimentos a menos). Caso o mercado de planos não reaja, provavelmente o saldo entre contratações e desligamentos será ainda mais distinto do que dois anos atrás, com enorme chance de encerrar no negativo.

Para piorar as perspectivas, a previsão é de que os custos hospitalares se elevem ainda mais este ano. Temor este baseado na alta do dólar. É o preço que se paga pelo Brasil estar longe de ser um dos principais fabricantes de insumos e equipamentos médicos, o que impõe aos estabelecimentos a necessidade de importar boa parte do que é utilizado diariamente. Não há um gestor hospitalar que não esteja aflito em como manter a sustentabilidade com o dólar por volta dos R$ 4. O mesmo sentimento deve estar presente nos secretários de saúde que veem suas cidades e estados com dificuldade para arcar com os salários dos funcionários.

Recursos limitados para um setor que necessita de investimentos contínuos. O país precisa de mais leitos. Tanto nos hospitais públicos quanto nos particulares, a oferta fica abaixo do mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que são três leitos para cada grupo de mil habitantes. A média nacional é de 2,3 leitos por mil habitantes. Cenário longe de ser o ideal, ainda mais se compararmos com países desenvolvidos, como a Alemanha (8,3) e o Japão (13,3), que superam em muito a média da OMS. Como ampliar a infraestrutura se muitos hospitais sofrem para manter o equilíbrio financeiro?

A saúde privada acompanha atentamente as decisões e ações do governo federal na busca por soluções para a turbulência atual. Longe de querer disseminar o pessimismo, mas como o SUS, por exemplo, conseguirá absorver a demanda, caso o desemprego continue crescendo e mais pessoas deixem de ter planos de saúde? O que o governo fará se as Santas Casas, que já sofrem com a defasagem dos repasses feitos e atendem 55% de toda a demanda do SUS, fecharem as portas?

Em tempos de formação de um novo Conselho de Desenvolvimento Econômico, que pretende encontrar alternativas para que o Brasil supere a crise, talvez fosse vital que o governo federal propusesse iniciativas destinadas à saúde, dadas a dimensão, a complexidade e a importância social do setor para o país. Não se pode permitir que a economia coloque o setor na UTI.


Fonte: artigo de Francisco Balestrin é presidente do Conselho de Administração da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), publicado em 07/04/2016
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
O impacto da pandemia no futuro dos espaços em saúde
Exame de Obtenção de Título de Especialista em Medicina Preventiva e Social e Certificado de Área de Atuação em Administração em Saúde 2020
Webinar - A Arquitetura e Engenharia Hospitalar contribuindo para o Controle da Infecção Hospitalar
2020 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Curso da APM ajuda na sustentabilidade de empreendimentos médicos
Liderança 4.0
Mais Recentes
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Grupo de Indicadores de Enfermagem

apmsompas