TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
28/03/16 - Profissionais que cuidam da saúde humana lideram ranking de acidentes laborais
Médicos, enfermeiros e outros profissionais da área, são as principais vítimas das doenças ocupacionais, com 65 mil ocorrências anuais. Tema será pauta do principal congresso brasileiro de Medicina do Trabalho, de 16 a 19 de maio, em Foz do Iguaçu, promovido pela ANAMT
Os profissionais da saúde – ironicamente aqueles que se dedicam a cuidar do bem-estar da população – lideram o ranking de acidentes laborais no Brasil. Ao ano, são mais de 65 mil ocorrências. Muitos desses médicos, enfermeiros, auxiliares e técnicos se submetem a uma carga horária exaustiva. Atuam em ambientes que favorecem a ocorrência de doenças infectocontagiosas, provocadas por agentes biológicos e pela contaminação.

imagem


A preocupação em torno do tema será amplamente discutida, durante o principal congresso da área, promovido pela Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT), entre os dias 16 e 19 de maio, em Foz do Iguaçu. Um painel temático, no primeiro dia do evento, abordará o tema “Cuidando de quem cuida”, reunindo especialistas de renome nacional e internacional.

Para Rafael Torres, médico preceptor do Programa de Residência Médica em Medicina do Trabalho, Medicina Legal e Perícias Médicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, “as condições do trabalho e da saúde dos médicos são negligenciadas. “Há várias questões envolvidas nesta negligencia, desde a postura dos médicos, altamente resistentes aos exames periódicos, até aspectos da organização do trabalho com um número excessivo de horas trabalhadas, na maioria das vezes, de forma autônoma”, explica.

Culturalmente e socialmente, de forma intencional ou não, diz Torres, o profissional de saúde, “esquece” da própria saúde. “Somos ‘treinados’ para diagnosticar, medicar, aconselhar e prevenir doenças na população, e é sempre mais fácil analisar um caso quando não estamos envolvidos diretamente”.

Segundo Torres, as transformações sociais e econômicas têm influência sobre a maior incidência de doenças ocupacionais entre os profissionais de todos os setores, especialmente os da área de saúde, devido o aumento das horas trabalhadas e do número de vínculos. “A organização do trabalho e as relações entre o profissional e o meio, que está inserido, contribuem de maneira significativa para o adoecimento”, destaca.

Também fará parte do painel temático “Cuidando de quem cuida” o especialista em medicina do trabalho, Marcelo Pustiglioni. Ele trará o tema “As condições de trabalho e da saúde dos profissionais de saúde no setor público e no privado”. O médico faz um alerta sobre a falta de recursos para a saúde e o sucateamento dos serviços públicos de saúde, que acabam expondo os trabalhadores dos serviços de saúde a riscos biomecânicos e psicossociais, além de potencializar o risco biológico.

Principais acidentes - Os profissionais de enfermagem, seguido pelos médicos e estudantes (residentes e estagiários) são os grupos de trabalho mais expostos aos riscos. Entretanto, explica Pustiglioni, o pessoal da higienização e limpeza aparece nas estatísticas de maneira importante, porque refletem as falhas no descarte de material contaminado e porque, ao se acidentarem, é muito difícil identificar o paciente-fonte e isso complica muito a decisão de quimioprofilaxia.

Entre os principais acidentes de trabalho em serviços de saúde, o médico diz que, sem dúvida, são àqueles com exposição ao material biológico, particularmente sangue e secreções. Seja os veiculados por material perfurocortante, como agulhas e lâminas, seja por respingos em mucosas, como os olhos e a boca, ou soluções de continuidade na pele, como cortes e feridas.

Sensibilizar os gestores sobre a necessidade de implantação de ações de segurança e saúde no trabalho; capacitar o trabalhador quanto aos riscos ocupacionais e como se proteger e exigir que o governo faça a sua parte, que é, legislar e fiscalizar de maneira competente são os principais obstáculos e desafios a serem vencidos no sentido de propiciar ambientes saudáveis aos trabalhadores da saúde, apontados por Pustiglioni.



Fonte: ANAMT
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
O impacto da pandemia no futuro dos espaços em saúde
Exame de Obtenção de Título de Especialista em Medicina Preventiva e Social e Certificado de Área de Atuação em Administração em Saúde 2020
Webinar - A Arquitetura e Engenharia Hospitalar contribuindo para o Controle da Infecção Hospitalar
2020 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Curso da APM ajuda na sustentabilidade de empreendimentos médicos
Liderança 4.0
Mais Recentes
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Grupo de Indicadores de Enfermagem

apmsompas