TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
01/02/16 - Paulistanos dão média 4,5 para a Saúde na cidade
A 7ª edição da pesquisa IRBEM (Indicadores de Referência de Bem-Estar no Munícipio) - "Você está satisfeito com a qualidade de vida na cidade de São Paulo?” revela que os paulistanos dão média 4,5 para a Saúde da cidade. A área aparece em 11º lugar, abaixo de outras como Trabalho e Consumo. A nota também é inferior aos resultados obtidos nos anos anteriores, 4,7 em 2014, 4,9 em 2013 e 5,1 na primeira edição do levantamento, em 2009.
dealizada pela Rede Nossa São Paulo e feita pelo Ibope Inteligência, com apoio do Sesc, Senac e Fecomércio-SP, a pesquisa entrevistou 1.512 pessoas de 30 de novembro a 18 de dezembro de 2015, a fim de levantar e monitorar indicadores sobre a satisfação com a qualidade de vida na cidade, condições de moradia, avaliação de serviços e de instituições públicas.

Dentre os itens da Saúde, o melhor avaliado foram as Campanhas de Vacinação (média 6 de satisfação); proximidade de postos de saúde/UBS/Amas ficou em quinto lugar, com média 5,3. Proximidade de pronto-socorro e de hospital vieram na sequência, com 4,8 e 4,6, respectivamente.

Os pontos pior avaliados foram facilidade para agendar consultas, retornos, exames e resultados (média de 3,4 de satisfação) e tempo médio entre a marcação e a realização de exames (3,4), consultas e procedimentos mais complexos, ambos com 3,2.

imagem



Saúde é o fator mais importante para a qualidade de vida

Questionados sobre o grau de importância de cada um dos 25 fatores de qualidade de vida na cidade de São Paulo, os entrevistados colocaram a Saúde em primeiro lugar, com média 8 de importância, seguida de Educação e Trabalho (7,9 para ambos), Segurança, Habitação e Terceira Idade (7,8 cada). A Saúde também aparece entre as "Prioridades” (alto grau de importância e baixo grau de satisfação) da população, considerando uma análise SWOT, de Prioridades, Fraquezas, Oportunidades e Fortalezas.

Quanto à utilização de serviços de saúde pública, 74% afirmaram que eles próprios ou pessoas de sua família utilizaram algum serviço de saúde pública nos últimos 12 meses, crescimento em relação aos anos anteriores – 72% em 2014, 71% em 2013 e 64% em 2008. Os itens mais utilizados no período foram Atendimento ambulatorial (56%) e Distribuição gratuita de medicamentos (51%).

Avaliando a qualidade dos serviços de saúde pública, destaques para a Distribuição gratuita de medicamentos (média de 6,9), Serviços de psiquiatria e saúde mental e Saúde da família (ambos com 6,7); na outra ponta, atendimento ambulatorial e de emergência têm as piores avaliações, 5,9 cada. Na facilidade de acesso aos serviços de saúde pública, novamente resultado positivo para a Distribuição gratuita de medicamentos (média de 6,8) e negativa para o atendimento de emergência (5,9).


Saúde pública x privada

Considerando os serviços de saúde pública e do plano de saúde privado, na comparação entre o tempo médio entre a marcação e a realização dos serviços, a maior discrepância em 2015 se deu nos procedimentos mais complexos (internações e intervenções cirúrgicas): 38 dias para quem tem plano de saúde contra 186 dias para o sistema público. Nas consultas, foram 15 dias x 82, respectivamente; e nos exames, 18 x 98 dias.

O número de pessoas que possuem plano de saúde privado na cidade de São Paulo vem caindo de acordo com a pesquisa: 26% em 2015, frente a 30% em 2014 e 2013 e 32% em 2011. Confira os números completos em

nossasaopaulo.org.br nova aba
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
O impacto da pandemia no futuro dos espaços em saúde
Exame de Obtenção de Título de Especialista em Medicina Preventiva e Social e Certificado de Área de Atuação em Administração em Saúde 2020
Webinar - A Arquitetura e Engenharia Hospitalar contribuindo para o Controle da Infecção Hospitalar
2020 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Curso da APM ajuda na sustentabilidade de empreendimentos médicos
Liderança 4.0
Mais Recentes
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Grupo de Indicadores de Enfermagem

apmsompas