TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
22/01/16 - SAMU-DF poderá ser o primeiro serviço público acreditado pela JCI
O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) do Distrito Federal poderá ser o primeiro serviço público móvel de transporte do país a ser acreditado pela Joint Commission International (JCI), representada exclusivamente no Brasil pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA). Antes, em 2012, o Amil Resgate Saúde foi primeiro serviço móvel particular acreditado pela JCI.
imagem


De acordo com o médico Rafael Vinhal da Costa, coexecutor do Programa de Educação para Melhoria da Segurança e da Qualidade, o SAMU do Distrito Federal sempre foi uma referência nacional para a Atenção Pré-Hospitalar. Costa, que também e colaborador dos Protocolos Clínicos de Atenção Pré-Hospitalar do Ministério da Saúde e instrutor em Política Nacional de Urgências, Regulação Médica e Transferências Interhospitalares do Núcleo de Ensino em Urgência (NEU/SAMU/DF), ressalta que, ao longo de dez anos de funcionamento, o serviço esteve à frente de projetos inovadores no país, como o das bikelâncias e do núcleo de saúde mental, com psiquiatras, psicólogos e assistentes sociais inseridos ao serviço.

Conforme Costa, iniciativas como a criação do Observatório de Saúde – que há cerca de três anos monitora os indicadores de saúde do sistema –, a construção de Protocolos Operacionais Padrão e de Protocolos Clínicos para as urgências pré-hospitalares – estes últimos, em parceria com a Coordenação Geral de Urgência e Emergência (CGUE), do Ministério da Saúde –, motivaram o SAMU-DF a buscar a acreditação.

"Mas faltava algo à nossa instituição. Sentíamos a necessidade de ir além do monitoramento de indicadores e da criação de protocolos", revela o gestor. Segundo ele, o serviço estava consolidado e preparado para tonar a segurança e a qualidade princípios do atendimento pré-hospitalar. "Começamos, então, as negociações com o Consórcio Brasileiro de Acreditação. E, em agosto de 2015, iniciamos o Programa de Educação para Melhoria da Segurança e da Qualidade", explica.

Sobre a adequação do serviço aos padrões de qualidade e segurança estabelecidos pela JCI, ele explica que esses padrões são também os objetivos do SAMU-DF. "Adotá-los é um desafio. A implementação da segurança e qualidade impõe uma mudança na cultura organizacional. É necessário que todos os atores envolvidos no cenário pré-hospitalar estejam familiarizados com os padrões e que internalizem a sua importância", observa.

"A mudança da cultura organizacional e dos processos de trabalho é, a um só tempo, doloroso e instigante", complementa Costa. "Doloroso, pois cada um dos trabalhadores da instituição deve estar aberto a aprimorar o seu processo de trabalho de forma a abandonar a cultura do 'fazer a sua própria maneira' e adotar rotinas de excelência baseadas em evidências. E instigante porque entramos em contato com ferramentas de gestão de excelência, padronizadas internacionalmente", completa.

Para ele, motivar a equipe talvez seja o grande segredo para a melhoria da segurança e da qualidade em uma instituição pública de saúde. "Como trabalhadores do SAMU, temos a missão de salvar vidas e garantir a saúde dos usuários do sistema de saúde. É preciso que esse serviço seja avaliado porque isso guia o nosso processo de trabalho e aprimoram o nosso serviço. Não apenas pelo reconhecimento, que, por si só, seria excelente. Mas, acima de tudo, por saber que estamos no caminho certo, que estamos salvando vidas com qualidade e excelência. É isso que motiva a equipe: a eficiência em salvar vidas".


Mudanças

Durante o Programa de Educação para Melhoria da Qualidade e da Segurança do SAMU, foi necessário modificar processos de trabalho. Coexecutor do Programa, Costa detalha que uma das maiores deficiências nacionais na Atenção Pré-Hospitalar é o controle de infecções. "Não há portarias e legislação específica de controle de infecções para o ambiente pré-hospitalar. Com isso, impôs-se a criação de uma Comissão de Controle de Infecção no SAMU-DF, objetivando criar um programa de controle de infecções mediante a construção de protocolos e de cursos de educação permanente".

"Durante o processo, tem sido ainda necessário rever a missão, a visão e os valores da instituição; repensar os indicadores de saúde, de qualidade e de resultados; refletir sobre os direitos e os deveres de nossos usuários; e criar comissões de ética, de revisão de prontuários e de revisão de óbitos", enumera. "O SAMU-DF e a população só têm a ganhar. A mudança organizacional trazida pelo Programa de Melhoria da Segurança e da Qualidade nos traz a certeza de que estamos prestando um serviço de excelência", garante.

Outra expectativa é com a avaliação externa e com o diagnóstico situacional realizado pelo CBA. "Teremos a chance de expor as deficiências de nossas bases descentralizadas. E poderemos colocar como prioridade de nossa agenda: a garantia de condições dignas de higiene e repouso para nosso trabalhador e; um adequado armazenamento e dispensação de medicamentos, materiais e insumos", completa.


Fonte: Diagnóstico Web, em 19/01/2016
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
O impacto da pandemia no futuro dos espaços em saúde
Exame de Obtenção de Título de Especialista em Medicina Preventiva e Social e Certificado de Área de Atuação em Administração em Saúde 2020
Webinar - A Arquitetura e Engenharia Hospitalar contribuindo para o Controle da Infecção Hospitalar
2020 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Curso da APM ajuda na sustentabilidade de empreendimentos médicos
Liderança 4.0
Mais Recentes
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Grupo de Indicadores de Enfermagem

apmsompas