TRANSLATE:
header_logo
Login
INFORMAÇÃO, CONHECIMENTO E TECNOLOGIAS
É o BYOD bom para os negócios?
O “Bring Your Own Device” - ou BYOD - é uma tendência crescente em grandes e pequenas empresas que apresenta desafios e oportunidades.
Para os empresários, é um sonho de redução de custos se tornando realidade. Para os departamentos de TI, pode ser um pesadelo. Para os empregados, proporciona uma sensação de liberdade e de escolha inédita impossível apenas há poucos anos atrás.

Não muito tempo atrás, um computador portátil dado pela empresa era considerado um grande privilégio. Mas como os smartphones e tablets continuam a assumir as funções antes executadas por estas máquinas já envelhecidas, as empresas estão lutando para lidar com as implicações do BYOD para o futuro da tecnologia de negócios.


Os Prós

Os funcionários adoram. Ao permitir que os profissionais utilizem os dispositivos de sua escolha, o BYOD é uma bênção para a satisfação do empregado. Ao invés do departamento de TI escolher um equipamento por seus critérios – nem sempre alinhados com o pensamento do usuário, os funcionários têm a liberdade de escolher os dispositivos que gostam e que são mais confortáveis.

Isso aumenta a satisfação do empregado de duas formas: os profissionais gostam de ter a oportunidade de escolher os dispositivos que eles querem e são mais confortáveis, e ele remove a curva de aprendizado frustrante que vem com o aprendizado de novas tecnologias e integrá-lo em sua vida profissional.


A produtividade pode subir rapidamente. Quando os funcionários têm a liberdade de usar um dispositivo que eles preferem mais que um fornecido pelo seu empregador, é mais provável que realmente vá usá-lo. Porque eles estão familiarizados com eles - e porque eles estão usando-os para as comunicações pessoais, estes dispositivos são mais propensos a viver nas mãos de funcionários, ao invés de em suas gavetas.

Como resultado, os profissionais estão mais engajados com seu trabalho. Os e-mails são respondidos mais rapidamente, e pequenas tarefas podem ser concluídas enquanto se espera na fila para o café.


Funcionários gerenciam as mudanças para novas tecnologias. Qualquer um que já trabalhou para uma grande empresa sabe que os departamentos de TI muitas vezes pode se mover em um ritmo glacial, quando se trata de implementar novas tecnologias. O processo de investigação é árdua, cheia de avaliações de risco e análises de custos. No momento em que uma seleção é feita, muitas vezes é obsoleto. Não é de admirar que tantas empresas estão olhando para a terceirização de seus departamentos de TI.

As empresas com políticas de BYOD, no entanto, se beneficiam do desejo dos empregados de upgrade para os dispositivos mais recentes e melhores. Isso muda o trabalho e os custos incorridos para nova implementação, pondo o problema de atualizações longe deles e nas mãos sos próprios trabalhadores.


É barato. Para muitas empresas, as economias com BYOD são atraentes. Um estudo de 2013 pelo Good Technology revelou que "50 por cento das empresas que apoiam BYOD exigem que todos os custos sejam cobertos pelos empregados", e que esses funcionários são mais do que feliz em fazê-lo. A solução de tecnologia em que os funcionários assumem alegremente os custos parece ser uma bênção de imediato para a empresa.


Os contras

É caro. Espere, o quê disse? Mas é verdade. Mesmo que muitos funcionários estão todos muito felizes em pagar para ter o privilégio de usar seus próprios dispositivos, o BYOD é atormentado por custos ocultos. Telefones perdidos ou destruídos significam perda de produtividade. Empresas que reembolsam os funcionários para perda de seus dispositivos ou utilização (ou ambos) deve se preparar para um influxo de relatórios de despesas surpresas.

Uma equipe de TI - seja interna ou externa - precisa estar adequadamente treinadas e ter pessoal para apoiar as questões sobre vários dispositivos e sistemas operacionais. Em cima de tudo isso, a falta de equipamentos padronizados, requer supervisão adicional de TI para resolver problemas de segurança, que afetam toda a estrutura de trabalho. Falando nisso ...


É um risco para a segurança de dados. Em um ambiente de trabalho BYOD, os funcionários podem acessar informações sensíveis ou confidenciais de bares, quartos, ou ônibus. Funcionários demitidos podem manter seus próprios dispositivos e, muitas vezes, os dados contidos dentro.

Esses fatores podem representar uma séria ameaça. Políticas de uso de dados são um começo, mas aplicá-las requer investimentos em recursos humanos e monitoramento. Trata-se de - você adivinhou - caro.


Ele pode ser ilegal. Esta é uma questão um pouco mais nebulosa, mas digna de nota. Existem leis federais rígidas no Estados Unidos que regem o direito dos funcionários para acessar dados. Uma pesquisa recente de TEKsystems descobriu que 35 por cento dos líderes de TI (como CIOs, IT vice-presidentes e diretores) e 25 por cento dos profissionais de TI (como desenvolvedores, administradores de rede e arquitetos) não estão confiantes de que da sua organização a política BYOD é compatível com dados e atos de proteção de privacidade, HIPAA, Dodd-Frank ou outras regulamentações impostas pelo Governo.

No geral, a revolução BYOD representa uma mudança radical na forma como as empresas e seus funcionários usam dispositivos pessoais. Pode ser um novo “Velho Oeste”, agora, mas como os smartphones e tablets continuam a ultrapassar os laptops como dispositivos de escolha dos consumidores, as empresas terão de se ajustar rapidamente a esta nova paisagem tecnológica.


Fonte: traduzido de artigo Ryan Galloway em www.workintelligent.ly
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2019 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
CQH: Hospital Regional de Presidente Prudente recebe selo
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH
Santa Casa de Limeira recebe Selo de Conformidade do Programa CQH
CQH 2019 - XX CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE e III CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA PREVENTIVA E DE ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE
Haino Burmester é homenageado por trabalho à frente do CQH
Mais Recentes
PRÉ LANÇAMENTO “GESTÃO DE PESSOAS EM SAÚDE”: 11/10/19
FLEURY COMPRA DIAGMAX 08/10/19
AUTOGESTÃO 07/10/19
Apresentações 30/09/19
Apresentações 30/09/19
PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS 27/09/19
BURNOUT 23/09/19
LIDERANÇA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO 23/09/19
GOVERNANÇA CORPORATIVA 23/09/19
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança