TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
10/04/14 - Rede privada brasileira tem mais equipamentos hospitalares que Alemanha
Estudo mostra que densidade de máquinas de alta complexidade na saúde suplementar de cinco estados está acima da recomendada
São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná, os cinco estados com maior Produto Interno Bruto (PIB) do País, também são aqueles com a maior oferta nacional de equipamentos privados de diagnóstico em saúde, em alguns casos com infraestrutura superior à vista em países desenvolvidos, como Alemanha, Austrália, Canadá e Reino Unido. A constatação está no estudo “PIB estadual e Saúde: riqueza regional relacionada à disponibilidade de equipamentos e serviços de saúde para o setor de saúde suplementar”, produzido pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS).

Segundo o instituto, a cada 100 mil habitantes, a saúde suplementar dos cinco estados dispõe de mamógrafos, tomógrafos computadorizados, aparelhos de ressonância magnética e ultrassom superiores à recomendação do Ministério da Saúde. Juntos, eles detinham 65,2% do PIB nacional em 2011 e 72,6% do total de beneficiários de planos de saúde.

Em muitos estados (não só nos cinco citados) os equipamentos privados também são utilizados para o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Para ele, é necessário analisar se o número de equipamentos privados acima do necessário não está “exagerado e até onerando demais a cadeia da saúde, o que pode comprometer a sustentabilidade do setor”. Dados do Datasus mostram que o setor privado detém mais de 62% dos equipamentos de saúde de alta complexidade e 84% dos procedimentos de mesmo tipo.

No Reino Unido, considerando todo o sistema de saúde (público e privado), existe 0,88 mamógrafo para cada 100 mil habitantes, ao passo que, no Canadá, a oferta é de 1,63. Já no Rio de Janeiro, apenas na rede privada de saúde, a oferta é de 2,79 mamógrafos para cada 100 mil habitantes, a maior do País, enquanto São Paulo registra a proporção de 2,02; Minas, 1,78; Rio Grande do Sul de 1,90; e, no Paraná, em 1,73.

Outro descasamento entre a oferta e a recomendação do Ministério da Saúde está na quantidade de equipamentos de ultrassom. O governo federal sugere a disponibilidade de 4 equipamentos a cada 100 mil habitantes mas, no Rio de Janeiro, a proporção é de 16,46, ou seja, mais de quatro vezes acima da recomendação. No Paraná, a oferta é de 13,54.

O mesmo processo se repete no caso dos tomógrafos computadorizados. Enquanto o Ministério da Saúde recomenda a proporção de 1 equipamento a cada 100 mil habitantes, a rede privada do Rio de Janeiro possui 2,13; indicador que fica em 1,40 em São Paulo; 1,47 no Paraná; e 1,32 no Rio Grande do Sul. Merece destaque, no Estudo, o fato de a vice-liderança nacional do indicador desse equipamento fica com Rondônia, com 1,92 a cada 100 mil habitantes. Na Alemanha, também considerando a rede pública e privada, o indicador é de 1,83, enquanto na França posiciona-se em 1,25.

No último caso analisado, de equipamentos de ressonância magnética, a oferta alemã é de 1,08 equipamento a cada 100 mil habitantes, enquanto na França está em 0,75 e, no Reino Unido, em 0,59. A recomendação do governo brasileiro é de 0,20. A rede privada fluminense, mais uma vez na liderança nacional, conta, entretanto, com 1,39 aparelho a cada 100 mil habitantes.

Ao citar dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o estudo lembra que a população que utiliza equipamentos privados de saúde é composta em 90% por beneficiários de planos de saúde (aproximadamente 25% da população). Com exceção dos equipamentos de mamografia, destaca o estudo, os demais cresceram em ritmo superior ao número de beneficiários em todos os Estados, que são os principais usuários de equipamentos privados de saúde. Fonte:- Saúde Web
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2019 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
CQH: Hospital Regional de Presidente Prudente recebe selo
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH
Santa Casa de Limeira recebe Selo de Conformidade do Programa CQH
Haino Burmester é homenageado por trabalho à frente do CQH
Hospital Netto Campello recebe selo do CQH
Mais Recentes
LANÇAMENTO 08/11/19
COMUNICAÇÃO 04/11/19
BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO 25/10/19
LIDERANÇA 25/10/19
SÍNDROME DE BURNOUT 25/10/19
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança