TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
03/04/14 - Programa Mais Médicos é paliativo midiático do governo
Diz Roberto Luiz D´Avila, presidente do Conselho Federal de Medicina, em artigo na Folha de São Paulo
Após nove meses do seu lançamento, a cada dia o Mais Médicos confirma sua vocação eleitoreira, evidenciando fragilidades técnicas e jurídicas.

Como jogada de marketing feita para angariar votos e simpatias, ele sintetiza a forma simplista como os gestores buscam a solução para os problemas que afetam a população.

É como se o aumento sem critérios da oferta de profissionais fosse capaz de resolver o caos no qual está mergulhado o Sistema Único de Saúde (SUS).

Equivocadamente, o foco está na quantidade –no caso, com a presença de pessoas sem qualificação comprovada, como o caso dos 41 brasileiros vindos da Venezuela, que, de acordo com as autoridades do próprio país, não concluíram sua formação.

Na contramão, ficaram de lado as ações estruturantes para mudar a realidade dos moradores das áreas mais distantes ou mesmo das periferias dos grandes centros.

Isso é uma prova de escuta seletiva. Em maio de 2013, quando milhares de cidadãos foram às ruas protestar contra a qualidade dos serviços públicos, o governo federal não quis entender o recado.

De lá para cá, pouco ou nada se falou sobre a melhora do financiamento da saúde, a modernização da gestão e o maior controle no uso dos recursos.

Também ficaram em plano secundário as ações para a melhoria da infraestrutura e o estímulo para atuação de médicos brasileiros na rede pública do interior e das capitais, por meio da criação de uma carreira de Estado específica no SUS.

Sem debates aprofundados com diferentes categorias, com universidades ou com representantes da sociedade organizada, o Mais Médicos se consolida como exemplo antidemocrático do gerenciamento dos interesses e das necessidades da nação.

Ao contrário do que afirmam alguns setores, os médicos –por meio do Conselho Federal de Medicina e de outras entidades– tentaram contribuir.

Propostas e sugestões foram encaminhadas ao Ministério da Saúde e ao Planalto. A resposta veio na forma de silêncio.

Hoje, o Mais Médicos existe como realidade torta, questionada na Justiça por abusos contra direitos humanos e trabalhistas.

Apesar dos pesados investimentos em publicidade, ele se mostra incapaz de mudar a percepção negativa da população sobre os rumos da assistência.

Conforme mostram pesquisas recentes, mesmo após sua implementação, o brasileiro ainda enxerga na saúde seu principal ponto de insatisfação. Isso ocorre porque a população não viu acontecer o que de fato esperava.

As instalações continuam precárias, os novos equipamentos não chegaram e o acesso aos leitos e aos procedimentos de maior complexidade ainda é demorado.

Também percebeu que o governo não investe de maneira eficiente em saúde nem tem mecanismos de controle afinados para eliminar de vez os desvios.

Mas, diante desse cenário desfavorável, o que fazer com os pleitos legítimos da população? O momento exige cautela e responsabilidade, para fazer dos limões acumulados uma bebida para aplacar a sede dos brasileiros por justiça e dignidade.

Cabe ao governo dar passo decisivo e abandonar o paliativo midiático em favor do planejamento de longo prazo.

Somente assim o Brasil encontrará o caminho do seu desenvolvimento econômico e social, oferecendo aos cidadãos acesso à saúde de forma universal, com equidade e qualidade.

ROBERTO LUIZ D'AVILA, 61, cardiologista, é presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM)


Fonte: Publicado na Folha de São Paulo em 29/03/2014
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2019 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
CQH: Hospital Regional de Presidente Prudente recebe selo
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH
Santa Casa de Limeira recebe Selo de Conformidade do Programa CQH
Haino Burmester é homenageado por trabalho à frente do CQH
Hospital Netto Campello recebe selo do CQH
Mais Recentes
LANÇAMENTO 08/11/19
COMUNICAÇÃO 04/11/19
BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO 25/10/19
LIDERANÇA 25/10/19
SÍNDROME DE BURNOUT 25/10/19
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança