TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
07/01/20 - Só 7% dos paulistanos apresentam saúde cardiovascular ideal, diz estudo da USP
Melhor situação, para reduzir risco de enfarte e AVC, considera controle de hipertensão, diabete, colesterol alto, índice de massa corpórea (IMC), dieta, atividade física e tabagismo. Achado integra o Elsa, maior pesquisa epidemiológica feita no País
O estilo de vida nas grandes cidades, permeado por estresse, má alimentação e sedentarismo, pode estar afetando não só a saúde mental de seus moradores, mas também o funcionamento do sistema mais importante do corpo: o cardiovascular. Um estudo da Universidade de São Paulo (USP), que vem acompanhando há anos os indicadores de saúde de milhares de paulistanos, revela que só 7% dos moradores adultos da capital paulista têm uma saúde cardiovascular ideal, condição que diminuiria o risco de problemas como enfarte ou acidente vascular cerebral (AVC).

O achado faz parte do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (Elsa), maior pesquisa epidemiológica do País que monitora, desde 2008, 15 mil adultos de 35 a 74 anos em todo o Brasil. Só na capital paulista são 4 mil participantes que têm constantemente seus índices e hábitos de saúde monitorados. “Para definir o que seria um score de saúde cardiovascular ideal, utilizamos uma metodologia da Associação Americana do Coração que considera sete indicadores: hipertensão, diabete, dislipidemia (colesterol alto), índice de massa corpórea (IMC), dieta, atividade física e tabagismo”, explica Isabela Benseñor, professora associada da Faculdade de Medicina da USP e uma das pesquisadoras do Elsa.

Para cada um dos sete indicadores, há cenários considerados ideais. No caso do IMC, o participante precisava estar abaixo de 25 para que fosse classificado como adequado. No caso da dieta, o ideal é que ele consumisse quatro porções de frutas e vegetais por dia, pelo menos duas porções de peixe ou frutos do mar por semana, apenas 450 calorias de bebidas açucaradas por semana, entre outras recomendações. Foram classificados com a saúde cardiovascular ideal os participantes que apresentaram de cinco a sete indicadores adequados.

De acordo com a pesquisadora, os vilões mais comuns são os relacionados a uma má alimentação ao longo da vida. “Temos o costume de ingerir muito sal e gordura e poucas frutas e verduras, o que torna comum problemas como hipertensão, diabete e obesidade”, relata.

Mudança de hábitos

Participante do estudo, a aposentada Joselina Cardoso Menotti, de 64 anos, não tem todos os indicadores em situação ideal, mas nos últimos anos têm tentado melhorar os hábitos após uma juventude que classifica como “rebelde”. “Tenho diabete e hipertensão e já estive com sobrepeso. Tenho um histórico familiar porque minha mãe e irmãs tiveram esses problemas, mas meu estilo de vida quando era mais jovem piorou a situação. Eu não me cuidava.

Tinha compulsão por doce. Se eu fazia um pudim, queria comer inteiro.”

Depois que começou a ser monitorada pelo Elsa, Joselina diz ter ficado mais consciente do seu estado de saúde e das possíveis consequências de não se cuidar. “Faço caminhada, evito doces. Eu estava pesando 74 quilos há uns três anos e hoje peso 61”, destaca. “Mesmo que já tenha desenvolvido a doença, eu sei que posso me cuidar e mantê-la sob controle. Não quero perder a visão ou ter um membro amputado por causa de uma diabete.”

Dados

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no Brasil e no mundo. Na cidade de São Paulo, 24,2 mil pessoas morreram por problemas no aparelho circulatório em 2017, último dado disponível no Datasus, portal de dados do Ministério da Saúde. Somente de enfarte, foram 6.397 vítimas naquele ano na capital, uma média de 17 óbitos por dia.

Para Carlos Alberto Machado, da diretoria da Sociedade Brasileira de Cardiologia, algumas características comuns das grandes cidades, como trânsito, violência urbana e longas jornadas de trabalho dificultam a adoção de um estilo de vida mais saudável. “Com medo da violência, as pessoas se fecham mais, não fazem atividades ao ar livre. E com a correria comem mais alimentos industrializados, na maioria das vezes ricos em gordura e sal”, diz o especialista.

Ele afirma que pelo menos 40% dos casos de enfarte e 80% dos AVCs estão ligados à hipertensão e, portanto, poderiam ser evitados com uma dieta com pouco sal, exercícios físicos e controle da doença. “Trinta minutos de exercício por dia já são suficientes para ajudar na saúde cardiovascular.”

Preste atenção

Veja abaixo as condições ideais em cada um dos sete indicadores utilizados pela Associação Americana do Coração e pela USP para medir a saúde cardiovascular. Para que você esteja em uma situação favorável, ou seja, com baixo risco para doenças cardiovasculares, é preciso que ao menos cinco dos indicadores esteja adequado:

Pressão arterial

Índice ideal deve ser de até 120 na máxima e 80 na mínima (12 por 8), sem diagnóstico prévio de hipertensão.

Glicose/açúcar no sangue

O nível de glicose medido no exame de glicemia de jejum não deve ultrapassar os 100 mg/dL.

Colesterol

Nível de colesterol total de até 200 mg/dL, sem diagnóstico prévio de hipercolesterolemia.

Tabagismo

Não ser fumante atualmente ou, no caso de ex-fumantes, ter interrompido o uso do cigarro há pelo menos dois anos.

Peso

Índice de massa corpórea entre 18,5 e 25 (o IMC deve ser calculado dividindo o peso pela altura ao quadrado)

Atividade física

Pelo menos 150 minutos semanais de atividade física moderada ou 75 minutos de atividade vigorosa.

Alimentação

A dieta ideal deve ser composta por pelo menos 4,5 porções de frutas e legumes por dia, 2 porções de peixe, marisco ou outro fruto do mar por semana, 3 porções de grãos integrais por dia, até 1,5 grama de sódio por dia e no máximo 450 calorias de bebidas açucaradas por semana.



Fonte: O Estado de S. Paulo
Data:01/01/2020
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
Gestão de Pessoas em Saúde
2019 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
CQH: Hospital Regional de Presidente Prudente recebe selo
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH
Santa Casa de Limeira recebe Selo de Conformidade do Programa CQH
Haino Burmester é homenageado por trabalho à frente do CQH
Mais Recentes
Concentração hospitalar 15/01/20
Despesa com saúde deve subir R$ 10,6 bi até 2027 10/01/20
Enkyo lança pedra fundamental do projeto de expansão do Hospital Nipo Brasileiro em 2020 10/01/20
Ministério da Saúde quer conhecer o perfil de saúde dos brasileiros 10/01/20
Aumento de custo médico-hospitalar deve ser de 15% 10/01/20
Plataforma de gestão otimiza planos, hospitais e SUS e reduz desperdícios 07/01/20
Hospital Samaritano Higienópolis recebe quinta reacreditação da JCI 07/01/20
Mais vidas foram salvas com a redução de infecções em UTIs do SUS 07/01/20
Setor de saúde bate recorde em fusões e aquisições neste ano 07/01/20
Só 7% dos paulistanos apresentam saúde cardiovascular ideal, diz estudo da USP 07/01/20
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança

apmsompas