TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMOS ARTIGOS
BUSINESS INTELLIGENCE NA GESTÃO DA SAÚDE
Resultados esperados na gestão da saúde com o uso da Business Intelligence (BI)
Integração de dados permite obtenção de insights, análise preditiva, identificação de gargalos e apoio na tomada de decisão. O Business Intelligence, ou inteligência de negócios, ganha cada vez mais espaço no setor de Saúde por possibilitar a consolidação de informações, que geram novas visões de negócio aos líderes da área e ajudam na tomada de decisão. Com uma boa ferramenta de BI, mais do que monitorar o desempenho de profissionais e unidades hospitalares, é possível analisar a qualidade de atendimentos e de exames, extrair dados de todas as etapas percorridas em ambientes, clínico ou laboratorial, graças à conexão dos diversos sistemas informatizados existentes nas unidades de Saúde e do cruzamento dos dados de diferentes maneiras.

Uma das principais particularidades do BI é diminuir trabalhos manuais para reunir dados de diferentes origens, que demandam muito tempo e aumentam a chance de erro humano. Com a ferramenta, o gestor pode adotar um planejamento estratégico e visualizar gargalos rapidamente, o que antes demoraria dias ou meses e dependeria de vários profissionais.

Oito resultados que a adoção de um BI traz para o administrador na área de Saúde. Veja abaixo:
1. Auxílio na tomada de decisão: o Business Intelligence é, basicamente, o primeiro passo dos sistemas voltados às pessoas (systems of engagement). Mais do que agregar dados, permite, efetivamente, interpretar o contexto e, com isso, tomar decisões melhores em matéria de gestão Quanto mais dados na mesa, mais segura será a tomada de decisão.

2. Insights: o Business Intelligence permite o cruzamento de dados de forma automática e facilitada, o que garante acesso a indicadores antes não vistos com clareza. A solução vai permitir ver naquele volume de dados às várias oportunidades de otimização dentro da organização, entre as quais a redução de custos, otimização de leitos, salas cirúrgicas, etc.

3. Desmembramento de informações do negócio: uma vez que a empresa trabalha com indicadores, a instituição poderá interpretar o dado em várias outras dimensões de análise. Imagine-se que a empresa até o momento trabalhava com o indicador de faturamento, porém não tinha o resultado por setor ou mesmo por especialidade. Com uma boa ferramenta de BI é possível acompanhar a evolução histórica dos números de faturamento por meio dos setores, especialidades ou qualquer outra dimensão que seja interessante para ajudar o gestor na tomada de decisão.

4. Mapeamento de perfis dentro de cada setor: com a análise da ferramenta, é possível perceber padrões que se repetem ao longo do tempo. Isso dá à instituição o poder de mapear perfis dentro de cada setor ou mesmo ter uma previsibilidade sobre os fatos.

5. Análise preditiva: outro fator resultante da descoberta de padrões nos dados é a possibilidade de prever ocorrências, o que pode orientar novos investimentos futuros.

6. Descoberta de gargalos: é possível identificar a raiz de problemas estruturais, uma vez que é possível rastrear as causas dos problemas, e encontrar gargalos em diferentes setores de forma mais abrangente do que pelas análises tradicionais de relatórios e planilhas.

7. Confiabilidade de dados: um gestor de Saúde, mesmo tendo uma visão empresarial abrangente, dificilmente consegue agregar e processar, manualmente, tantos dados quanto uma solução de BI. Dentro dessas condições, a tecnologia vai oferecer dados que permitem diferentes visões da instituição e seus gargalos. Tal constância garante a confiabilidade dos dados do sistema
.
8. Otimização dos custos: quando se tem a integração de dados clínicos e financeiros, que geralmente estão em locais distintos, é possível encontrar tendências favoráveis ou desfavoráveis, performance de um determinado profissional para certos tipos de enfermidades, eficiência de alguns diagnósticos, entre outros. Com avaliação isolada, nem sempre é possível perceber tantas variações, mas o BI permite ver os dados de forma tanto macro quanto detalhada, quando necessário. Toda essa visão permite deixar a gestão mais ágil e, consequentemente, garante a otimização dos custos, serviços e demandas.
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2019 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
CQH: Hospital Regional de Presidente Prudente recebe selo
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH
Santa Casa de Limeira recebe Selo de Conformidade do Programa CQH
Haino Burmester é homenageado por trabalho à frente do CQH
Hospital Netto Campello recebe selo do CQH
Mais Recentes
LIDERES TÍMIDOS 22/07/19
BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PESSOAS 22/07/19
BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 22/07/19
TREINAMENTO CORPORATIVO 22/07/19
SAÚDE CORPORATIVA 19/07/19
AFINAL, O QUE É COOPERATIVISMO? 16/07/19
BOAS PRÁTICAS GERENCIAIS 16/07/19
TRABALHO TEMPORÁRIO 15/07/19
MINDFULNESS 01/07/19
2019 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde 28/06/19
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança