TRANSLATE:
Login
REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE
AS "PESSOAS DIFÍCEIS"
Afinal, não somos todos difíceis?
Um dos principais elementos na formação da nossa imagem é nossa reputação. Uma boa reputação abre muitas portas, enquanto uma reputação negativa dificulta o caminho. O que fazer então quando sabemos que temos a fama de sermos pessoas difíceis?

Um dos conceitos existentes no gerenciamento de imagem chama-se halo effect. São as generalizações feitas a respeito de alguém, que distorcem a percepção que temos desta pessoa. Deste modo, quando temos uma boa impressão a respeito de alguém, acreditamos que tudo nela é positivo. No entanto, quando a impressão é negativa, acreditamos que tudo sobre ela é negativo. É como se apenas uma característica fosse capaz de minar todas as nossas outras qualidades.

A fama de pessoa difícil talvez seja uma das características mais negativas que podemos ter associada ao nosso nome. A questão é que a palavra “difícil” pode dar margem a muitas interpretações: difícil por quê? Mas a partir do momento que esta informação é disseminada, ela pode trazer sérias conseqüências. Temos desde a exclusão de certos grupos, oportunidades não dadas, até comportamentos provocativos vindos de outras pessoas.

A primeira reação que temos a este tipo de comportamento é nos fecharmos numa concha e acusarmos todos de estarem errados – reforçando a imagem que os outros têm de nós. Pode até ser que estejam mesmo errados, entretanto todos nós temos pontos cegos em nossa personalidade. São aquelas características que todos enxergam, menos a nós próprios.

É vital para sua sobrevivência em qualquer ambiente profissional que você descubra quais são esses pontos cegos. Fique atento a sua forma de se expressar quando está se comunicando. Será que sua linguagem corporal, seu tom de voz e as palavras que usa não indicam que você está sempre pronto para um confronto? Existe uma grande diferença entre uma personalidade agressiva e uma assertiva.

A assertividade se baseia na autoconfiança, enquanto a agressividade, na insegurança. A assertividade se mostra através de atitudes como ter coragem de expressar sua opinião, mesmo quando todos pensam o contrário, falar calma e pausadamente, buscar soluções para problemas existentes e não fazer de conta que não existem, não querer ter sempre a razão, dar sugestões – não ordens. Se não conseguir detectar nenhum ponto cego em sua personalidade, busque o feedback de alguém em quem confia. Esteja preparado para ouvir as respostas. Não as veja como acusações, mas como ferramentas.

No entanto, se você detectar uma situação em que este tipo de comentário esteja sendo muito prejudicial a sua carreira, não o ignore. Se sente que alguém usa esta característica sua para provocá-lo ou se as pessoas tendem a excluí-lo, chame as pessoas envolvidas para conversar. Sugira um café ou almoço. Diga que você tem consciência de suas diferenças, mas que está disposto a colocá-las de lado para conseguirem realizar um bom trabalho. Se alguém insistir nas acusações, fique na sua. Talvez ela precise extravasar e não vale a pena entrar numa discussão – o que iria reforçar a opinião que os outros têm a seu respeito.

Não acuse ninguém de nada, colocando a outra pessoa na defensiva. Procure aliviar as coisas. Mostre que você ouviu o que a pessoa tinha a dizer. Coloque seu ponto de vista e peça para que o outro proponha uma solução. Isto irá mostrar que você está aberto a mudanças. Muitas pessoas adoram criticar, mas na hora que são questionadas não conseguem ser específicas. Ao questioná-las, você as enfraquece. Se você perceber que a crítica é justa, reconheça. Se for necessário um pedido de desculpas, faça isto o quanto antes. Assim, terá o respeito de todos. Em todos os momentos deixe claro que você busca uma solução – e não vencer a disputa.

Comentários negativos, diferenças de ponto de vista e discordâncias fazem parte do dia-a-dia profissional. Estamos em contato com pessoas com estilos de comunicação, crenças e valores diferentes dos nossos. Ninguém espera que você concorde com tudo e goste de todos ao seu redor. No entanto, isto não deve impedi-lo de estabelecer e manter bons relacionamentos.

Por Ilana Berenholc, para Redação P&N
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2018 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Hospital Netto Campello recebe selo do CQH
Manual de Indicadores de Gestão de Pessoas - 2017
2017 - Concurso para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
RAS On-line
Gestão Hospitalar - O Papel do Médico Gestor
Mais Recentes
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH 23/04/19
Santa Casa de Limeira recebe Selo de Conformidade do Programa CQH 16/04/19
JUDICIALIZAÇÃO 11/04/19
FINANCIAMENTO DA SAÚDE 08/04/19
LIDERANÇA E HUMILDADE 08/04/19
LIDERES TÍMIDOS 08/04/19
INDICADORES DE DESEMPENHO PARA A GESTÃO EM SAÚDE 08/04/19
BOAS PRÁTICAS GERENCIAIS 08/04/19
Estilo de vida: da ciência à prática clínica 05/04/19
MBA em Gestão de Negócios em Oftalmologia 05/04/19
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
9Manual de Gestão Hospitalar do CQH
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança
Videoaulas
Indicador de homem hora treinamento
Avaliação da Necessidade de Treinamento