TRANSLATE:
Login
REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE
SAÚDE TEM PREÇO
E CUSTA CARO
No mundo corporativo, quando damos um zoom na área de RH, especificamente na gestão de Benefícios, identificamos que manter o custo do plano de saúde dentro dos valores orçados é com certeza um dos maiores desafios.
De acordo com a pesquisa HR Trends 2019, realizada pela ProPay, 55,95% dos entrevistados consideram a gestão de Benefícios Estratégicos como uma atividade tática, ou seja, uma atividade importante que se encontra entre o meio termo entre operacional e estratégico. A gestão de Benefícios não é uma tarefa simples, pois o Plano de Saúde faz parte desse contexto.
Fatores que provocam elevação dos custos
Existem condições que são capazes de desorganizar as contas dos planos de saúde. O primeiro fator é o epidemiológico. Ele se dá com a redução das doenças transmissíveis e o aumento e prevalência das doenças crônicas. Nesta área os tratamentos são de longa duração e na maioria das vezes de alto custo. No Brasil as doenças crônicas são responsáveis por mais de 70% do total de mortes.
O segundo fator é o demográfico. A migração da população para o interior dos estados levou com ela também a necessidade de tratamentos que antes eram exclusivos de grandes cidades, impactando assim o custo médico praticado nessas localidades. Empresas com colaboradores em diversas regiões precisam estar atentas na precificação e indicar para a consultoria que irá realizar o estudo a localização de cada um, pois com isso conseguirá custos mais justos.
As alterações nas faixas etárias são o terceiro fator. O envelhecimento rápido da população está impactando o custo assistencial da saúde, uma vez que a idade traz consigo necessidades adicionais de tratamentos. Estudos demonstram que 80% dos custos com a saúde se dão após os 60 anos de idade. Estima-se que, em trinta anos, 30% dos brasileiros estarão acima dessa idade, número que hoje é de 12%.
O quarto fator é a transição tecnológica e científica. Novos equipamentos, somados a uma nova geração de medicamentos, incrementam as estatísticas de sucesso no tratamento de doenças complexas e também na melhora da qualidade de vida dos pacientes com doenças crônicas. Isso faz com que as indústrias desse setor pratiquem margens de lucro acima da média de mercado, encarecendo o custo dos tratamentos. Nesse segmento, mais tecnologia significa mais custo.
Fonte: Ricardo Lopes par o jornal “O Estado de São Paulo”, 18 de Novembro de 2018.
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2018 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
Hospital Netto Campello recebe selo do CQH
Manual de Indicadores de Gestão de Pessoas - 2017
2017 - Concurso para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
RAS On-line
Gestão Hospitalar - O Papel do Médico Gestor
Mais Recentes
MANUAL DE GESTÃO - ORGANIZAÇÃO, PROCESSOS E PRÁTICAS DE LIDERANÇA COLETIVA 07/12/18
GESTÃO, ÉTICA E ESTÉTICA 07/12/18
BOAS PRÁTICAS GERENCIAIS 03/12/18
ECONOMIA COMPARTILHADA 30/11/18
A ECONOMIA DOS APLICATIVOS 23/11/18
SAÚDE TEM PREÇO 22/11/18
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
9Manual de Gestão Hospitalar do CQH
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança
Videoaulas
Indicador de homem hora treinamento
Avaliação da Necessidade de Treinamento