TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMOS ARTIGOS
USO DO CANAL DE DENUNCIAS POR EMPRESAS BRASILEIRAS CRESCEU 52,6% NOS ÚLTIMOS 4 ANOS
Conforme amostra de 50 empresas que usaram este canal
Segundo o levantamento da empresa ICTS Outsourcing, entre 2014 e 2017 o número de denúncias corporativas aumentou em 52,6%, considerando-se uma amostra de 50 empresas que utilizam o canal há quatro anos. Neste grupo de empresas foram coletados 17.572 relatos durante o biênio 2014 e 2015, enquanto que entre 2016 e 2017 o volume de denúncias registrados foi de 26.524 relatos.
A análise da evolução anual do registro dessas denúncias indica que fatos como a eclosão da operação Lava Jato e a promulgação da Lei Anticorrupção, bem como a maior atenção dada em nossa sociedade sobre a exposição de situações de assédio moral e sexual, vêm impulsionando o uso desse instrumento dentro do ambiente corporativo.
A pesquisa sinaliza também outros indicadores que demonstram o amadurecimento das empresas, seus colaboradores e outros públicos no uso efetivo do canal de denúncias como um instrumento de fortalecimento do ambiente ético e transparência nas relações internas e externas das organizações. Um exemplo é a redução no tempo em que as empresas levam para apuração das denúncias recebidas, que caiu 43,6% nos últimos cinco anos, atingindo em 2017 um patamar médio de 36 dias.
Outro indicador interessante é o incremento de 12,1% no volume de denúncias sobre a camada de líderes das empresas entre 2014 e 2017, demonstrando o crescimento da confiança dos denunciantes, em sua maioria colaboradores, ou seja, 86,2% do total, sobre a segurança no uso do canal e seus resultados práticos.
Além dos próprios funcionários, fornecedores e clientes vêm também fazendo maior uso dos canais de denúncia corporativos. Segundo a pesquisa, as manifestações provenientes destes grupos representaram 11,3% dos registros. “Uma ação mais efetiva das empresas na divulgação e disponibilização dos seus canais de denúncias para seus públicos externos, combinada com a maior exigência do mercado sobre Ética e integridade em suas relações comerciais e de consumo impulsionam os relatos de fornecedores e clientes”, explica Cassiano Machado, sócio-diretor da ICTS Outsourcing.
Quando se analisa o perfil dos tipos de denúncias mais realizadas nas empresas nestes últimos cinco anos, têm-se que 42,7% referem-se a problemas de relacionamento interpessoal. Desta fatia, os casos mais recorrentes foram de práticas abusivas, como assédio moral e sexual, agressão física, discriminação e preconceito, que representam 26% do total de denúncias. Relatos sobre ilícitos e má intenção somaram 33,8% e o descumprimento de políticas, normas e procedimentos internos representaram 23,5% das denúncias feitas.
Verifica-se ainda que a maior parte dos registros de denúncias foi realizada por homens, que efetivaram 60,1% dos relatos contra 39,9% feitos por mulheres. Segundo Cassiano Machado, até meados de 2016 havia uma leve predominância do público feminino, em torno de 53%, na manifestação de práticas abusivas (assédios, agressões, discriminação). Porém, o cenário se inverteu em 2017 com o público masculino registrando agora 54% destes tipos de situação. “Isto pode indicar uma maior sensibilização e preocupação do público masculino em relação a estes temas e seus impactos negativos no ambiente de trabalho e na reputação das organizações”, completa Machado.
O líder continua a ser o agente mais denunciado nas empresas, com 55,9% dos registros em 2017. Este cenário corrobora a importância do anonimato no processo de registro das denúncias e, não por acaso, as denúncias anônimas são a opção preferida pelos denunciantes, perfazendo 69,7% dos relatos.
Com relação a forma de contato com o canal de denúncias, nota-se uma evolução no uso do contato telefônico, versus o registro eletrônico via internet ou e-mail. No grupo de empresas com operação há mais de 5 anos houve um incremento de 15,3% no uso do contato telefônico entre 2014 e 2017, ou seja, de 43,2% para 49,8% do total de registros.
O efeito desse movimento é sentido na efetividade da apuração das denúncias e, consequentemente, no benefício produzido pelo canal de denúncias. Como as denúncias realizadas via contato telefônico permitem uma coleta mais rica de informações dos denunciantes, seu índice de confirmação é 19% maior quando comparado aos casos registrados via internet.
O executivo conclui prevendo que “o interesse das instituições por canais de denúncias deve continuar crescendo nos próximos anos, não apenas pelas exigências progressivas da sociedade e do contexto legal sobre os programas de integridade nas organizações, mas principalmente pelo entendimento dos resultados práticos e positivos alcançados pela implementação efetiva do canal”.
Fonte:- Redação P&N
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
Gestão de Pessoas em saúde
2019 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
CQH: Hospital Regional de Presidente Prudente recebe selo
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH
Santa Casa de Limeira recebe Selo de Conformidade do Programa CQH
Haino Burmester é homenageado por trabalho à frente do CQH
Mais Recentes
Gestão de Pessoas em saúde 09/12/19
HAPVIDA COMPRA MEDICAL 04/12/19
Hospital da FAB obtém selo de qualidade pela oitava vez 28/11/19
Hospitais podem aumentar lucro e disponibilidade com gestão de ativos 28/11/19
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança