TRANSLATE:
Login
ÚLTIMOS ARTIGOS
A importância da liderança na criação de uma cultura ética
Como fazer a ética acontecer, de fato, nas empresas?
O mundo empresarial exige que pensemos seriamente sobre uma questão simples, importante e frequentemente mal resolvida: é possível ser bem-sucedido nos negócios, alcançar bons resultados e, ao mesmo tempo, permanecer alinhado com valores éticos e morais? Para responder a essa pergunta, é preciso ter a disposição de responder às questões fundamentais sobre ética: até onde quero, até onde posso e até onde devo ir?

A ética na prática

Acadêmicos e também administradores, em todos os cantos do mundo, dedicam um tempo apreciável a esclarecer uma questão: como fazer a ética acontecer, de fato, nas empresas?

Em primeiro lugar, é preciso tirar os ideais éticos emoldurados em algum capítulo final ou anexo dos livros de administração e trazê-los para a vida prática.

Em segundo lugar, é necessário mudar nossas concepções de que liderança competente está impregnada de oportunismo.

Finalmente, temos de sair da posição confortável de aguardar que primeiro o outro seja ético conosco para que, depois, receba o benemérito de nossa confiança. Inútil, porque a ética não admite bordões do tipo “confiar desconfiando”.

Fortalecer o campo ético significa ver, na ética, uma ciência que possui seu domínio de know-how, cujos objetos podem ser experimentados e articulados no dia a dia de qualquer pessoa ou grupo. E também abandonar a ideia do bem e do mal como polaridades absolutas.

O papel da liderança

Nas organizações, a tarefa de criar um ambiente favorável à ética é responsabilidade fundamental das lideranças. À primeira vista, a situação nos convida a pensar uma ética da liderança, apoiada, se possível, em um conjunto robusto de códigos e regras morais que nos guie no dia a dia, apontando para o modo certo e o errado de liderar. Isso pode ser bom, mas, infelizmente, não é suficiente.

Como a própria ética nos lembra, não existe lei ou regra que dê conta da má-fé quando ela estiver presente. Nesse caso, a liderança ética pode ser a nossa bússola.

A diferença é sutil, mas importante. Ela diz respeito a renovar a reflexão sobre o certo e o errado, o justo e o digno em cada situação e fazer do exercício da liderança não somente um cumprimento de regras, mas a plena realização de uma responsabilidade.

Significa atualizar, continuamente, a disposição de buscar o caminho correto. Em muitas situações, correr riscos, “colocar a própria cabeça a prêmio”, investir-se da coragem moral de mudar e saber que, em inúmeros casos, teremos também de sacrificar o ganho imediato, sendo oportunos, mas não oportunistas.

Nas trilhas da liderança ética

Líderes formatam a cultura organizacional tanto formal quanto informalmente. Há uma responsabilidade implícita em seus papéis no sentido de criar, manter ou mudar sistemas culturais e, também, todo o tempo, no que dizem, fazem ou apoiam dentro da empresa. Pode-se afirmar que os líderes personificam os valores organizacionais, ou seja, são legítimos representantes do que as empresas, de fato, desejam e das crenças que efetivamente colocam em ação em suas operações.

No que diz respeito ao compromisso com valores e princípios éticos, cabe plenamente aos líderes empresariais a máxima: “Não basta ser a mulher de César... tem de parecer ser a mulher de César”.

E todo o cuidado em atuar de modo exemplar é pouco, não importa a posição na hierarquia de poderes. Cabe a todos os executivos seniores e a seus prepostos diretores e gerentes desenvolver uma reputação de liderança ética dando visibilidade - por meio de exemplo - a atitudes e comportamentos éticos. E faz parte do desafio cuidar da disseminação dessas condutas exemplares por toda a cadeia organizacional.

Portanto, a liderança ética depende muito de um esforço dos gestores de conquistar e manter ativas a disposição das pessoas e equipes para cultivar hábitos orientados por valores e princípios éticos.



Fonte: FNQ
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO - UMA IMPORTANTE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO E NEGOCIAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE.
Destaques
RAS On-line
Concurso para obtenção do título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde - 2016
Encontro dos Grupos do NAGEH
RAS Vol. 16 N° 65 Outubro-Dezembro, 2014
Gestão Hospitalar - O Papel do Médico Gestor
RAS Vol. 16 N° 64 Julho-Setembro, 2014
Mais Recentes
Para quem não conhece, conecte o transdutor ao smartphone, passe o gel e pronto, pode fazer o exame de ultrassom | www.lumify.philips.com/web/
16/05/17
Conheça a íntegra do código de ética médica recentemente atualizado | www.portalmedico.org.br/novo...
16/05/17
Gestão por processos no MEG 16/05/17
Pressão alta 16/05/17
Investimentos em empresas da saúde em alta 16/05/17
Especialistas vêem desvantagens de clínicas populares 16/05/17
Reduzir custo 'salvou' hospitais em 2016 16/05/17
Para que servem os sistemas de indicadores? 16/05/17
A importância da liderança na criação de uma cultura ética 16/05/17
MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO - UMA IMPORTANTE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO E NEGOCIAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE 16/05/17
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
4Manual de Gestão Hospitalar
5Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
63º Caderno de Indicadores CQH - 2009
7Por que e como aderir ao Programa CQH
8Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
9Manual de Gestão Hospitalar do CQH
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança
Videoaulas
Indicador de preenchimento de vaga
Indicador de rotatividade