TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
03/03/17 - 3M debate ‘indicadores associados a cateteres intravasculares periféricos’
imagem


Por que devemos nos preocupar com indicadores associados a cateteres intravasculares periféricos?”, foi o tema do último Café da Manhã Anahp, realizado na sede da Associação nesta terça-feira (21) com apoio da 3M - e também a pergunta que tentou responder Daniane Cais, Coordenadora de Enfermagem do Serviço de Controle de Infecções Hospitalares do Hospital Samaritano de São Paulo. A resposta é longa, mas pode ser resumida em: porque o cuidado com a introdução e manutenção destes dispositivos reduz riscos, melhora a qualidade de vida dos pacientes.


Segundo Daiane, o Samaritano compila dados sobre infecções em veias causadas pelos cateteres venosos periféricos (ou CVPs) desde 2013, e as flebites – inflamações nas paredes dos vasos sanguíneos – pelo menos desde 2008. Estes indicadores têm permitido ao hospital reduzir a incidência do problema ao estabelecer metas de redução e do trabalho educacionais com a equipe de enfermagem. O objetivo para 2017 é reduzir em 25% o índice registrado em 2016, que gira em torno de 13 eventos por 1000 CVP.

São 5 mil acessos intravenosos por dia no hospital (que tem em torno de 300 leitos). Não há estatísticas sobre uso no Brasil, mas nos EUA são cerca de 150 milhões de cateteres por ano, e metade dos pacientes institucionalizados por ano vão receber um destes dispositivos – na Europa são 63% - para a administração de fluidos, medicações e hemoderivados. Complicações no uso geram tempos extras de internação de 13 a 48,3 dias, aponta a literatura médica disponível.

As flebites causadas pelos CVPs podem ser químicas, mecânicas ou infecciosas. “Acredita-se que o principal mecanismo de infecção seja a colonização do dispositivo seguida da formação de biofilme”, explica Daiane. “Apesar de considerado baixo [entre 0,06 e 0,7 infecções por 1000 CVP/dia, dependendo do estudo], o número real dessas infecções pode ser alto devido à curta permanência do dispositivo e a alta precoce dos pacientes.”

Para a coordenadora, é importante investigar cada flebite e mudar a cultura em torno dos CVPs dentro dos hospitais. “A flebite dói, é penosa para o paciente. Um evento adverso desse tipo pode fazer o paciente não voltar mais para a instituição. A mensagem é: vamos começar a olhar”, diz.


Fonte: ANAHP
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2019 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
CQH: Hospital Regional de Presidente Prudente recebe selo
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH
Santa Casa de Limeira recebe Selo de Conformidade do Programa CQH
Haino Burmester é homenageado por trabalho à frente do CQH
Hospital Netto Campello recebe selo do CQH
Mais Recentes
BIOTOSCANA VENDIDA 22/10/19
EUROFARMA E KNIGHT THERAPEUTICS DISPUTAM A BIOTOSCANA 21/10/19
PRÉ LANÇAMENTO “GESTÃO DE PESSOAS EM SAÚDE”: 11/10/19
FLEURY COMPRA DIAGMAX 08/10/19
AUTOGESTÃO 07/10/19
Apresentações 30/09/19
Apresentações 30/09/19
PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS 27/09/19
SÍNDROME DE BURNOUT 23/09/19
LIDERANÇA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO 23/09/19
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança