TRANSLATE:
header_logo
Login
ÚLTIMOS ARTIGOS
Repensando a inclusão financeira e a atuação do governo
Inicio de governo é sempre um momento propício para repensar políticas e estratégias de interesse nacional, como é o caso da inclusão financeira. Baseados em pesquisas e estudos de casos, acreditamos que o próximo governo precisará redefinir sua estratégia de atuação baseado no que convencionamos chamar "tripé da inclusão financeira": incentivo à poupança, captura de sinergias com/entre políticas públicas e revisão do microcrédito produtivo orientado.

O incentivo à poupança amplia a capacidade de acumular ativos como forma de superar situações de vulnerabilidade. É falsa a ideia de que pobres não poupam. Há inúmeros registros de mecanismos informais de poupança em todo o mundo. Pesquisa recente mostrou que, no Brasil, 9,3% das pessoas guardam dinheiro em casa . A título de comparação, menos de 1% da população brasileira investe em ações e títulos de longo prazo. Há evidências de que muitas pessoas querem poupar, só não encontram maneiras adequadas de fazê-lo.

Ademais, o incentivo à poupança se contrapõe a ações excessivamente voltadas para crédito e consumo. O tamanho atual do mercado de crédito ao consumo no Brasil representa 15,3% do PIB, a mais alta proporção entre as economias da América Latina. Somente em 2013, as operações dos bancos públicos aumentaram 30%. As consequências são sobre-endividamento familiar e maior inadimplência, comprometendo a própria inclusão financeira no longo prazo.

O segundo elemento do tripé proposto passa por uma maior integração da inclusão financeira com as políticas públicas vigentes. O caso emblemático é o Programa Bolsa Família. Há dados disponíveis, como o Cadastro Único, que podem ser conjugados com mecanismos inovadores das finanças proximidade, tais como o uso de agentes de microfinanças. Estes poderiam ser multiplicadores de conceitos básicos de educação financeira e poupança, essenciais para promover a efetiva emancipação dos beneficiários dos diversos programas de transferência de renda.

Uma novidade que permite alavancar a sinergia entre programas sociais e inclusão financeira é a regulamentação dos arranjos e serviços de pagamento, ocorrida no final de 2013. A ideia central é que a inclusão digital via telecomunicações móveis pode potencializar a inclusão financeira de milhões de brasileiros. O governo é fundamental para viabilização de um ecossistema interoperável, que permita reduzir custos de transação.

Por fim, acreditamos que o microcrédito produtivo demanda uma nova estratégia. O Programa Crescer incentivou uma atuação mais agressiva por parte de alguns bancos públicos e trouxe de volta o subsídio. O crescimento forçadamente acelerado aumenta a inadimplência e ignora a curva de aprendizado do próprio Banco do Nordeste, cuja experiência exitosa se construiu ao longo de quase duas décadas.

Adicionalmente, cabe indagar se é desejável que o espaço do microcrédito produtivo seja ocupado quase exclusivamente pelos bancos públicos. Acreditamos que essa estratégia compromete, a médio e longo prazo, a capacidade de inovação que pode ser trazida pelo setor privado e pelas instituições de microfinanças.

Enfim, é preciso concluir dizendo que não há desenvolvimento sem um sistema financeiro inclusivo. Cumpre consolidar e aperfeiçoar o que já foi conquistado sem deixar de reconhecer erros e redefinir estratégias de forma a incorporar novas soluções. Só assim poderemos continuar avançando.
Apoio:
xhl


sicredi
Blog
A tecnologia pode ajudar a sustentabilidade do sistema de saúde do Brasil
A discussão de compliance e ética no CQH 2018
Destaques
2019 - Concursos para obtenção de título de especialista em medicina preventiva e certificado de área de atuação em administração em saúde
CQH: Hospital Regional de Presidente Prudente recebe selo
Em 25/10/2018, o Hospital Policlin de Taubaté recebeu selo do Programa CQH
Santa Casa de Limeira recebe Selo de Conformidade do Programa CQH
CQH 2019 - XX CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE e III CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA PREVENTIVA E DE ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE
Haino Burmester é homenageado por trabalho à frente do CQH
Mais Recentes
PRÉ LANÇAMENTO “GESTÃO DE PESSOAS EM SAÚDE”: 11/10/19
FLEURY COMPRA DIAGMAX 08/10/19
AUTOGESTÃO 07/10/19
Apresentações 30/09/19
Apresentações 30/09/19
PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS 27/09/19
BURNOUT 23/09/19
LIDERANÇA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO 23/09/19
GOVERNANÇA CORPORATIVA 23/09/19
Mais Lidas
1Manual de Indicadores de Enfermagem NAGEH 2012
2Rumo à Excelência: Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional
3CQH - Roteiro de Visitas
43º Caderno de Indicadores CQH - 2009
5Manual de Gestão Hospitalar
6Por que e como aderir ao Programa CQH
7Acreditação hospitalar: um movimento inexorável?
8Manual de Gestão Hospitalar do CQH
9Prêmio Nacional da Gestão em Saúde - Ciclo 2015-2016: Regulamento e Instruções para Candidatura
10Manual de Gestão - Organização, Processos e Práticas de Liderança